Olímpia enfrentará o São Caetano

O adversário do São Caetano na final da Copa Libertadores da América será o Olímpia. O time paraguaio eliminou o Grêmio nesta quarta-feira à noite, em Porto Alegre, nos pênaltis, após perder o jogo por 1 a 0. O Olímpia converteu todas as cobranças de sua série, vencendo por 5 a 4. Rodrigo Fabri desperdiçou um dos chutes do Grêmio. Inconformados com a anulação de um gol durante o jogo e com a repetição de um pênalti defendido por Eduardo Martini, o que acabou decidindo a classificação a favor do Olímpia, os dirigentes do Grêmio invadiram o gramado para reclamar do juiz argentino Daniel Gimenez e retardaram em 15 minutos a cobrança de Franco que acabaria com seus sonhos. O Olímpia é treinado pelo ex-goleiro da seleção argentina, Nery Pumpido, e, em sua trajetória até a decisão havia eliminado, antes do Grêmio, o bicampeão da competição, o Boca Juniors. Suas estrelas são o goleiro Tavarelli, reserva de Chilavert na Copa do Mundo, o zagueiro Cáceres, tido como o novo Gamarra no Paraguai, e o armador Orteman, que comandou a vitória por 3 a 2 sobre o Grêmio no primeiro jogo entre os dois times, quando fez dois gols. No jogo desta quarta-feira o Grêmio precisava vencer por dois gols de diferença. Nessa circunstância, tentou atacar o tempo todo, teve domínio territorial, mas não converteu em gols as chances que criou a partir da movimentação de Tinga, da velocidade de Luís Mário e dos lançamentos de Zinho. No primeiro tempo o Grêmio conseguiu cinco arremates perigosos, teve cinco escanteios a seu favor e um gol anulado. Mas a torcida só comemorou aos 46 minutos, quando Grafite conseguiu roubar uma bola de Enciso, que Luís Mário cruzou para a cabeçada de Gilberto. Na trajetória, a bola bateu em Zinho e mudou de rumo, enganando Tavarelli, para estabelecer a vantagem gremista. Na primeira chance do time brasileiro, Anderson Lima recebeu lançamento de Luís Mário, evitou seu marcador, mas chutou para fora, aos 20 minutos. Dois minutos depois um cruzamento de Luís Mário venceu o goleiro Tavarelli, mas Grafite não alcançou a bola e perdeu um gol certo. O Olímpia chutou pela primeira vez ao gol de Eduardo Martini aos 23, quando Benitez cobrou uma falta sem levar perigo ao goleiro. Aos 28, Grafite venceu os zagueiros, mas Cáceres conseguiu desviar o chute do atacante para escanteio. Aos 33, após cobrança de escanteio, Pedrinho cabeceou para fora. Aos 38, a torcida soltou o grito de gol, mas o juiz considerou que Luís Mário, em impedimento passivo, atrapalhou a defesa no chute de Claudiomiro, e anulou a jogada. Aos 41 Ânderson Lima cobrou falta com perigo. O Grêmio manteve o domínio territorial no segundo tempo, mas só conseguiu concluir uma jogada aos 10 minutos, quando Zinho chutou de fora da área, sem perigo. Aos 13, após falha da defesa do Olímpia, Pedrinho ficou livre na marca do pênalti, mas chutou fraco, para a defesa de Tavarelli. Logo depois Quintana foi expulso por jogada violenta. Em desvantagem, o Olímpia preferiu reforçar os cuidados defensivos, apostando no contra-ataque ou na cobrança dos pênaltis. O Grêmio seguiu pressionado, teve outros seis escanteios a seu favor, mas desperdiçou as chances que criou. Claudiomiro, aos 17 e aos 20 minutos, cabeceou para fora. Aos 30 e aos 46 Zinho arriscou de longe, mas Tavarelli, bem colocado, defendeu. O Olímpia só conseguiu chutar duas vezes ao gol de Eduardo Martini no segundo tempo, sem perigo. Mas levou o jogo para os pênaltis e, com cinco cobranças perfeitas, está classificado para a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.