ONGs criticam falta de campanha contra Aids para torcedores

Organizações de prevenção ao HIV afirmam que uma propaganda no intervalo dos jogos e alguns outdoors não bastam.

BBC Brasil, BBC

22 de junho de 2010 | 12h37

Organizações de prevenção ao HIV e de apoio a vítimas da Aids na África do Sul têm criticado a falta de coordenação na campanha feita para conscientizar torcedores estrangeiros e sul-africanos durante a Copa do Mundo.

Um anúncio de uma ONG incentivando o uso de preservativo e veiculado na emissora estatal de televisão SABC no intervalo dos jogos, e alguns outdoors nas ruas são alguns dos lembretes de que este é o país com o maior número de pessoas contaminadas com o HIV no mundo - 5,7 milhões, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

"O governo, a Fifa, as ONGs, as igrejas, os líderes comunitários - todo mundo tem um papel no combate à Aids e deveria ter se sentado à mesma mesa para decidir como atuar durante o Mundial", disse à BBC o reverendo Nelis du Toit, diretor do Christian Aids Bureau of South Africa (CABSA).

A expectativa da entrada de até 500 mil estrangeiros no país durante o Mundial - e o consequente aumento na prostituição - também eleva a apreensão dos ativistas.

"Um dos motores por trás da epidemia de Aids é a vulnerabilidade, que é maior quando se está em um ambiente que não é o seu", explicou Du Toit. "O comportamento de risco também aumenta nessas situações."

"O entretenimento é uma das melhores plataformas para criar conscientização. Mas essas mensagens de incentivo ao sexo seguro deveriam também ser exibidas nos estádios", disse à BBC Brasil Nokhwezi Hoboyi, da ONG Treatment Action Campaign (TAC).

"No dia do show de abertura da Copa, com 60 mil pessoas na plateia, não houve nenhum anúncio falando do HIV", criticou.

Na falta de uma campanha mais ostensiva, como as que se vê na época do Carnaval no Brasil, iniciativas isoladas estão ajudando a alertar os turistas para o perigo da contaminação. Alguns hotéis, por exemplo, decidiram colocar caixas de camisinhas entre os itens de higiene ou de frigobar.

Em alguns jogos são oferecidos preservativos aos torcedores em ruas próximas aos estádios e há grupos trabalhando em escolas visando aumentar a conscientização, combater o preconceito e a falta de informação.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.