Christian Alekson/Divulgação
Christian Alekson/Divulgação

Ônibus do Bahia se perde e atrasa final da Copa do Nordeste

Policias erram caminho ao tentar atalho e quase atrasam jogo

Lauriberto Braga, Especial para o Estadão

30 de abril de 2015 | 17h10

A final da Copa do Nordeste de 2015, entre Ceará 2 a 1 Bahia, na noite desta quarta-feira, na Arena Castelão, começou com 15 minutos de atraso.O imprevisto aconteceu porque os batedores que escoltavam o ônibus da delegação baiana erraram o caminho do estádio ao tentar um atalho para evitar o engarrafamento.

O árbitro potiguar Italo Medeiros de Azevedo concordou em esperar meia hora para dar a partida ganha pelo Ceará por WO, um fato raríssimo no futebol nacional. O Ceará entrou em campo no momento certo, como estava previsto. Ficou batendo bola até a chegada atrasada do adversário. Por causa do atraso, não houve a execução do hino nacional nem a tradição de os dois times entrarem juntos em campo. A todo momento após às 22 horas, horário previsto para começar a partida, o quarto árbitro, o cearense Avelar Rodrigo, corria ao vestiário do Bahia para saber o paradeiro da equipe.

Os torcedores também mostraram-se impacientes sem saber o que estava acontecendo.

A delegação do Bahia saiu de um hotel da Beira-Mar por volta das 20h30, logo após a preleção do treinador Sérgio Soares. Mas o ônibus guiado pelos batedores não conseguiu chegar antes das 22 horas no estádio. Além do engarrafamento nos acessos para a Arena Castelão, os batedores erraram o caminho. Eles orientaram o motorista a seguir por um trecho mais longo para tentar evitar o congestionamento. Só que neste caminho acabaram desviando muito do Castelão. Um percurso que era para ser feito em no máximo 45 minutos, levou quase uma hora e meia.

Quando chegou ao estádio, no horário que era para começar a final, o Bahia foi para o vestiário e demorou mais 15 minutos para entrar em campo e começar a partida. Os jogadores do Ceará não desceram para o vestiário e esperaram pelo adversário em campo, tocando bola ou concedendo entrevistas para emissoras de rádio e tevê. Diferentemente da delegação do Bahia, o ônibus do Ceará chegou ao estádio às 20h40, sendo recepcionado por centenas de torcedores no estacionamento do Castelão. 

INGRESSOS

A polícia prendeu dois homens com 40 ingressos falsos para o jogo. Além da carga inicial de 63 mil ingressos, vendida antecipadamente, mais 399 ingressos extras foram colocados à venda de última hora e imediatamente comprados. O público pagante ficou então em 63.399, proporcionando renda de R$ 1.807.162,00. É o maior público do ano no futebol brasileiro e recorde na Arena Castelão. Como campeão, o Ceará recebeu um prêmio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) de R$ 1,5 milhão.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolcopa do nordesteec bahiaceará

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.