Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Ônibus do Corinthians chega ao Morumbi sem sustos e Andrés ironiza promessa de rosas

Polícia Militar faz longo bloqueio e clube alvinegro não tem problemas: 'Chegada mais tranquila em duas décadas'

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2019 | 14h49

Após a polêmica declaração de Andrés Sanchez sobre o comportamento da torcida do São Paulo em clássicos com o Corinthians, o clube alvinegro não teve problemas para se deslocar até o estádio do Morumbi no início da tarde deste domingo. As duas equipes se enfrentarão na decisão do Campeonato Paulista.

O presidente corintiano havia afirmado na última semana que iria determinar que os jogadores não entrassem em campo caso o ônibus fosse atacado por torcedores são-paulinos - fator já ocorrido anteriormente. A declaração causou mal estar entre Sanchez, a Polícia Militar e o presidente do TJD, Antonio Olim, que minimizaram a fala de Andrés e falaram que nenhuma ação adicional precisaria ser tomada.

Netse domingo, no entanto, a PM promoveu um bloqueio ainda maior que o normal no entorno do Morumbi. Mais de 200 policiais foram deslocados para trabalhar no clássico, e o ônibus do Corinthians conseguiu chegar sem sustos ao estádio. Fator que foi comemorado por Andrés logo ao desembarcar do coletivo.

Ao passar pela zona mista do Morumbi, Sanchez confirmou que o trajeto alvinegro não teve problemas. "Em duas décadas nunca houve uma chegada tão tranquila. Que agora seja sempre assim", afirmou. Perguntado sobre as rosas que parte da torcida do São Paulo prometeu atirar, ele ironizou. "Seria o ideal para eles, mas não teve não", alfinetou. Logo após a passagem do veículo, a torcida local foi liberada para se aproximar da entrada do estádio.

São Paulo e Corinthians se enfrentam às 16h (de Brasília) pelo primeiro jogo da final do Paulistão no estádio do Morumbi, na zona sul da capital paulista. No entanto, durante a manhã, grupos de torcedores das duas equipes se envolveram em confronto em Ferraz de Vasconcelos, cidade da Grande São Paulo, e a confusão deixou ao menos 14 feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.