José Lucena/Futura Press
José Lucena/Futura Press

Operação para prender suspeitos de matar torcedor do Botafogo teve 4 baleados

Policiais entraram em confronto com traficantes na Cidade de Deus

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2017 | 19h22

A Polícia Civil do Rio prendeu nesta quinta, 23, cinco suspeitos de envolvimento no assassinato do torcedor do Botafogo Diego Silva dos Santos, em 12 de fevereiro. Todos integram a Torcida Jovem do Flamengo. Na casa de um dos detidos, havia uma camisa do Botafogo suja de sangue. Ela teria sido usada pela vítima, assim como um par de tênis,  também achado pelos policiais.

Durante a Operação Jogo Limpo, policiais entraram em confronto com traficantes na Cidade de Deus, na zona oeste da capital. Quatro pessoas ficaram feridas. Moradores acusaram a Polícia de ferir inocentes e à tarde protestaram, bloqueando a estrada Miguel Salazar com objetos e fogueiras. Os policiais desobstruíram a via. Um vídeo com os feridos circula na internet.

“Uma dessas pessoas portava uma pistola”, informou a Polícia Civil, por meio de nota, ao se referir aos feridos. Segundo a instituição, os quatro feridos foram socorridos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade de Deus.

Crime. Diego foi golpeado com um espeto de churrasco, do lado de fora do Engenhão, no dia da partida do seu time contra o Flamengo, ainda pela fase de grupos da Taça Guanabara. Parte da ação foi registrada por câmeras, o que facilitou a identificação dos acusados.

Os suspeitos foram presos temporariamente, sob as acusações de homicídio qualificado e organização criminosa. Foram presos: Adonai Santos, Herbert Sabino de Paula, Rafael Silveira Camelo, Rogerio Silva Guinard e Vitor Potencio. O presidente da Torcida Jovem do Flamengo, Wallace Mota, o Tabajara, o vice, Rafael Maggio, o Rato,  e o diretor Fábio Pinheiro, o Playboy, estão foragidos.

A operação foi realizada pela Divisão de Homicídios, com o apoio de 130 policiais. Eles cumpriram mandados na Capital, em São Gonçalo e Niterói. Os agentes também encontraram, com os suspeitos, bastões de madeira, utilizados em brigas de torcida. 

Durante a investigação, 2.100 integrantes da torcida foram investigados. Outros doze integrantes já respondiam por outros crimes, como roubo, e também tiveram mandados de prisão expedidos.

De acordo com o delegado Fábio Cardoso, da Divisão de Homicídios, o ataque foi premeditado. “A Torcida Jovem do Flamengo saiu da ala (entrada) que lhe era destinada e invadiu a ala dos torcedores do Botafogo com o objetivo de atacá-los”, disse. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.