Operador do guindaste deu sinal de alerta antes de acidente

Testemunhas garantem que funcionário pediu evacuação do local e que isso foi fundamental par que a maioria se salvasse

Flavia Alemi, Marcio Dolzan e Paulo Favero, com colaboração de Tiago Queiroz, O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - A causa do acidente na Arena Corinthians depende de uma perícia para ser esclarecida. O Estado ouviu diversas pessoas presentes no momento do ocorrido e elas relataram que a principal causa foi o desnivelamento do terreno em que estava instalado o guindaste, próximo ao prédio leste da obra do estádio. Um detalhe importante, que evitou que algo pior acontecesse, é que houve um sinal de evacuação dado pelo funcionário que estava operando o guindaste.

"Isso ajudou a preservar as vidas", revela uma testemunha. "O rapaz que morreu foi atingido pela ponta do guindaste. Todo mundo correu para um lado, ele foi para o outro. Tinham 100 pessoas vendo a colocação da peça naquele momento, quase todo mundo saiu a tempo", comenta. Ao que tudo indica, a peça não caiu, mas escorregou, quebrando o telão e puxando o guindaste para baixo. "Ouvimos um barulho como se fosse de metralhadora."

O guindaste pesa mais de meia tonelada e tem capacidade para suportar até 1.550 toneladas. Como choveu muito nos últimos dias na capital paulista, o solo não suportou a movimentação do equipamento para colocar a última peça da cobertura da obra, segundo os relatos.

"Eu estava a uns 150 metros do local e, na hora que a lança começou a cair, ela pendeu para o lado. Achei até que iria cair na Radial Leste", contou outra testemunha. "Por sorte, era horário de almoço para os trabalhadores e o refeitório fica um pouco distante de onde aconteceu o acidente, caso contrário poderíamos ter mais vítimas."

Logo que ocorreu a queda da treliça que seria colocada na cobertura, o local foi cercado e quase ninguém pôde entrar e verificar mais de perto os estragos. "Na realidade, o prejuízo maior foi na fachada. A estrutura já estava pousada no teto e, como o guindaste estava desnivelado, perdeu terreno e parece que a lança baixou em cima do telhado. De qualquer forma, o dano estrutural foi mínimo", disse outra pessoa que viu de perto os estragos.

CHÃO

Algumas estimativas indicam que o chão cedeu dois centímetros sob o guindaste. No total, oito colunas da fachada de LED foram atingidas, mas nem todos os painéis foram danificados. Como foram colocados vidros mais resistentes, o impacto na fachada foi menor, pois as peças ajudaram a segurar a treliça de aço. Por causa do acidente, um pedaço da cobertura terá de ser retirado do teto do estádio e revisado para que os responsáveis pela obra descubram se existe algum tipo de avaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.