Margarida Neide/Ag A Tarde
Margarida Neide/Ag A Tarde

Operários são flagrados vendendo ingressos na Arena Fonte Nova

Consórcio promete demitir envolvidos e admite que a procura por bilhetes foi maior que a esperada.

Heliana Frazão, O Estado de São Paulo

29 de março de 2013 | 22h29

SALVADOR - Ao menos seis pessoas ficaram feridas, porém, sem gravidade em um tumulto ocorrido na manhã desta Sexta-Feira Santa, 29, em Salvador, devido a grande procura por ingressos para o clássico BA-VI, que se realizará no próximo dia 7 de abril. Será o primeiro jogo na Arena Fonte Nova. O fato foi agravado com a venda ilegal de ingressos por parte de funcionários que trabalham na nova arena, fato flagrado por câmeras de fotógrafos e cinegrafistas que cobriam o evento.

Agentes da Polícia Militar precisaram disparar bombas de gás lacrimogêneo próximo aos  torcedores para conter os mais exaltados, que tentavam forçar a entrada ao setor de bilheterias do estádio.  Segundo a polícia, a confusão se deu nas proximidades do portão de acesso norte do estádio, destinado a torcida do Bahia.

Depois de controlada a situação os bilhetes, que começaram a ser vendidos às 10 horas, foram logo esgotados. No final da tarde da quinta-feira, 28, já havia gente formando fila para adquirir os ingressos.

Conforme a organização da Arena Fonte Nova, o mesmo aconteceu com os bilhetes  vendidos através da internet, a partir do início da madrugada da sexta-feira. Cerca de uma hora depois já estavam esgotados.

Já para os torcedores do Vitória, no início da tarde ainda era possível encontrar ingressos no estádio Barradão, para o acesso ao anel leste da Arena.

Um dos diretores do consórcio Arena Fonte Nova, Lino Cardoso, disse que a procura por bilhetes foi maior que a esperada. "Superou todas as nossas expectativas”, afirmou.

Entretanto policiais militares que a atuaram para dispersar a confusão criticaram a direção da Arena Fonte Nova por terem escolhido um dia de feriado para a venda dos ingressos. O coronel Gilson Santiago, coordenador de Comunicação Social da PM da Bahia disse que o fato contribuiu para a formação do tumulto pois, a data possibilitou o deslocamento de uma grande número de pessoas interessadas na aquisição dos bilhetes.

“Tudo contribuiu, o feriado, a cidade sem trânsito, o grande interesse da população, essas conjunto de fatores levou um grande número de pessoas, ao mesmo tempo para a Nova arena”, disse ele que também confirmou ter recebido informações de venda ilegal de bilhetes, por funcionários da Fonte Nova, que teriam atuado como cambistas, acirrando ainda mais o clima de irritação entre aqueles que aguardavam para comprar o ingresso. “Entretanto, ainda estamos apurando”, assinalou.

No final da tarde a assessoria da Arena Fonte Nova divulgou nota lamentando o ocorrido e informando considerar inadmissível a atitude de alguns colaboradores que se aproveitaram do momento de trabalho para obter vantagens durante a venda no setor Norte do estádio. Segundo ainda a nota, o consórcio irá analisar as imagens feitas durante o fato e os profissionais identificados serão demitidos.

A diretoria do consórcio informou também que as vendas nos demais pontos, inclusive na bilheteria Sul do parque esportivo, transcorreram normalmente. De acordo com o consórcio, para o dia da partida já está assegurado efetivo com mais de mil homens para segurança. A operação contará ainda com auxílio de 700 orientadores treinados, 300 seguranças e mais de 200 câmeras.

Foram disponibilizados 41.500 mil ingressos, a valores que variam entre R$ 45 (meia) a R$180 (cadeira especial).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolcopa-2014esporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.