José Romero/AFP
José Romero/AFP

OPINIÃO: Crise enfraquece América do Sul para sediar a Copa de 2030

Membros da Uefa até já se movimentam para questionar o projeto de um Mundial na região

Jamil Chade / Correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2018 | 05h00

O caos que reina no futebol sul-americano diante da incapacidade da Conmebol em realizar a final de seu principal torneio de clubes poderá ter consequências duras para a América do Sul. A bagunça atrapalha, por exemplo, os planos do continente de receber a Copa do Mundo de 2030. Membros da Uefa até já se movimentam para questionar o projeto de um Mundial na região. 

O sonho do Uruguai é poder comemorar os cem anos do Mundial em seu país. Para isso, e diante de um torneio cada vez maior e com 48 seleções, se uniu à Argentina e ao Paraguai para realizar o evento no Cone Sul, com sedes em Buenos Aires, Montevidéu, Assunção e outras cidades. 

Na caminhada até a escolha, o governo argentino não escondia seu desejo de usar a final da Libertadores como um primeiro cartão de visitas aos membros da Fifa. Gianni Infantino, presidente da entidade, viajou até Buenos Aires para a “festa” que a final da Libertadores representaria. 

Aí, aconteceu o ataque ao ônibus do Boca Juniores e desde então os dirigentes sul-americanos, atônitos, batem cabeça. A Uefa passou a acompanhar de perto a confusão ao perceber a oportunidade para trabalhar nos bastidores para minar a candidatura tripla à Copa de 2030. O argumento é de que a América do Sul não tem a mesma condição de outros continentes para garantir a segurança do evento.

A Uefa tem suas razões. Recentemente, o governo da Espanha apresentou proposta de um Mundial em 2030 ao lado de Portugal e do africano Marrocos. Os ingleses também querem recuperar a Copa, que não sediam desde 1966. Uma das ideias seria realizar o torneio com Escócia e País de Gales. Há ainda a candidatura conjunta de Grécia, Bulgária, Romênia e Sérvia.

A Ásia também se movimenta. Coreia do Sul e do Norte querem apresentar uma candidatura conjunta, como parte de um processo de paz na península. 

Sem contar um outro concorrente tido por muito na Fifa como o grande favorito: a China. Diante de tudo isso, o vandalismo visto em Buenos Aires pode ter sido fatal para as pretensões da Conmebol. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.