Oposição critica time atual do São Paulo

O ex-presidente do São Paulo Paulo Amaral, que deverá ser candidato no pleito de abril, criticou bastante o trabalho do presidente Marcelo Portugal Gouvêa na gestão do futebol. De acordo com Amaral, o dirigente montou time "muito fraco" em 2003 e conseguiu a vaga na Libertadores por causa de bastante "sorte". Amaral disse, ainda, que Gouvêa errou ao negociar Kaká com o Milan por ?apenas? US$ 8,2 milhões e lembrou que conseguiu vender o zagueiro Edmílson, que não tinha tanta fama, por cerca de US$ 10 milhões, embora os tempos fossem outros. Na época, os europeus pagavam bem mais. "Até o (Silvio) Berlusconi (presidente do Milan) ironizou o negócio." Gouvêa considerou injustas as afirmações de seu opositor e as rebateu. "Ele (Amaral) não teve sorte nem competência. Seu grupo ficou na direção por muitos anos e não conseguiu pôr o São Paulo na Libertadores." O presidente tinha, no entanto, consciência de que o time de 2003 era limitado e precisava de reforços, tanto que já fez cinco contratações. O clima começa a ferver no Morumbi à medida em que as eleições se aproximam. Gouvêa busca a reeleição e deverá ter Amaral como adversário. O vencedor deverá, como costuma ocorrer, ser decidido por poucos votos. O clube negocia com o lateral-direito Cicinho, que se desvinculou do Atlético-MG, mas ganhou, nos últimos dias, um concorrente. O Santos também tem interesse no atleta. Josué, volante do Goiás, está na mira do São Paulo, mas as chances de reforçar a equipe são pequenas, pois tem contrato com os goianos até o fim de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.