Oposição do Palmeiras faz plano de gestão

A eleição para a presidência do Palmeiras está marcada para o início de 2005, mas a oposição já trabalha em cima de um plano de gestão caso o candidato Luiz Gonzaga Beluzzo se saia vencedor. A intensão do grupo ?Muda Palmeiras? é analisar especialmente as finanças do clube e, em cima dos números obtidos, pensar em alternativas de patrocínio que tragam receitas adicionais. Luiz Gonzaga Beluzzo perdeu para o presidente Mustafá Contursi na última eleição do clube, realizada em janeiro. ?Estamos passando por uma fase de diagnósticos, realizando levantamentos para detectar em quais pontos é possível melhorar a situação do clube?, afirma o candidato derrotado, que é economista. Segundo Beluzzo, este estudo foi feito preliminarmente há quatro meses. E apresentou indicações de que as receitas do clube estão caindo de 2001 para cá. ?Apesar do sucesso que o Palmeiras teve este ano, mesmo disputando a segunda divisão, é inegável a redução das receitas, como os valores de transmissão pagos pelas emissoras de TV. Sem contar a queda patrimonial, já que muitos jogadores que fazem parte do nosso elenco não têm os direitos federativos presos ao clube e sim a empresários e a toda sorte de pessoas sem ligação alguma com o clube. A conclusão é que hoje não temos ativos para vender.? Na visão de Beluzzo, a solução a curto prazo é ampliar as parcerias. ?Temos que buscar empresas que queiram trabalhar lado a lado com o clube. E fortalecer as já existentes, como a da Pirelli (que recentemente renovou seu contrato para estampar sua logomarca na camisa do clube por três anos)?, explicou. Patrice Rosenbaun, diretor de marketing do Palmeiras, rebate Beluzzo e afirma que o clube irá negociar o patrocínio na manga da camisa da equipe de futebol. ?Não adotamos esse procedimento antes porque o contrato antigo com a Pirelli não permitia. Mas não vamos aceitar a primeira proposta que chegar. Se aparecer um negócio bom, sentaremos para conversar.?Rosenbaun também disse que um estudo para a implantação de um projeto que faça dos torcedores sócios do clube está em pleno andamento. ?Queremos adotar uma campanha que não seja passageira e traga receitas para o clube. Mas agora não é o momento adequado para se tratar disso. Estamos concentrados na luta do time para voltar à primeira divisão.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.