Oposição pede cadastramento e agita clima no Corinthians

Aliados de Andres Sanches ficaram irritados com oposicionistas que convocaram sócios por meio de site

Marcel Rizzo - Jornal da Tarde,

10 de setembro de 2008 | 21h35

Menos de uma semana depois de Andres Sanches revelar que vai ser candidato à reeleição em janeiro, a briga política no clube começou para valer. E pode parar na Justiça. O candidato da oposição Paulo Garcia enviou correspondência a todos os sócios do clube parabenizando-os pelos 98 anos do Corinthians, comemorados no último dia 1.°. Aproveitou a mensagem para fazer um pedido: que eles fizessem um cadastramento, por meio do site de sua própria campanha, o "Pró Corinthians".Veja também:   Dentinho volta a ser poupado e não deve jogar no sábadoDê seu palpite no Bolão Vip do Limão Na carta havia um código de acesso, de 12 dígitos, que deveria ser digitado na página inicial do site. O sócio colocaria seus dados pessoais, como endereço e contatos telefônicos. A diretoria corintiana reagiu. Enviou um comunicado a todos os associados desautorizando o cadastramento de Garcia. "O Corinthians tem uma diretoria constituída e ninguém além dela está credenciada a recadastrar os associados", diz parte da nota."Não sei se ele (Paulo Garcia) teve fins políticos ou qualquer outro. Mas o que nos preocupa é que a carta dá total impressão de ser um documento oficial do clube", reclamou o vice-presidente jurídico do Corinthians, Sérgio Alvarenga. "Em nenhum momento diz que é um cadastramento para uso dele. E isso lesa o associado. Estamos analisando o que podemos fazer juridicamente", ameaça.SÓCIOS SÃO FUNDAMENTAISA integração com os associados será importante na eleição de janeiro, já que serão eles, e não mais os membros do Conselho Deliberativo, que definirão o presidente. Esta é uma das principais mudanças do estatuto, aprovado pelo CD e por assembléia geral, e que está sendo registrado em cartório.Paulo Garcia disse que recebeu do presidente Andres Sanches, em fevereiro, a lista dos associados, com dados incompletos. E acha justo o recadastramento. "Preciso me comunicar com os associados, saber quem são. Quem me passou esses dados foi o próprio Andres Sanches e ele sabia que era para fins políticos", admitiu Paulo Garcia.Andres Sanches não foi encontrado nesta quarta-feira para comentar o assunto. Alvarenga acha que Garcia está mal informado se o recadastramento tiver mesmo fins políticos. "Se ele lesse o estatuto, saberia que todo candidato terá acesso a dados dos sócios perto da eleição, para podermos ter campanha justa".Garcia se defende: "Mando essas cartas há mais de um ano e agora reclamaram. E está claro nela que é do Pró Corinthians".CONTRA FRAUDES?Os dois grupos, oposição e situação temem fraudes e compras de votos. Paulo Garcia disse a aliados que precisaria se precaver, tendo uma lista detalhada dos associados para evitar votos duplicados, por exemplo.Na eleição de outubro de 2007, Paulo Garcia perdeu para Andres Sanches por 17 votos (175 a 158), mas a eleição foi entre os conselheiros. Há possibilidade de um terceiro candidato nessa briga, Osmar Stabile.A fragilidade da segurança nas assembléias de sócios pôde ser notada na eleição que aprovou o novo estatuto do Corinthians, há dez dias. Silvio Romualdo Júnior é sócio e trabalha na diretoria das piscinas. Ele foi um dos mesários da assembléia e ficou assustado com a facilidade que viu para fraudar o evento."O grande problema é o voto manual. Precisamos informatizar. Foram pouco mais de 800 votos apenas e tivemos dificuldade. Para presidente, deve ser maior", disse Silvio.Ele cita um exemplo de possibilidade de fraude observado no dia da votação. Ao ficar na mesa dos inadimplentes, Romualdo percebeu que, se um sócio quisesse, poderia votar diversas vezes. "O sócio em débito poderia pagar naquele dia mesmo e votar. Só que o nome dele não estaria na listagem. Por isso havia a mesa dos inadimplentes. O sujeito pagava na secretaria, se dirigia a uma mesa e a moça dava a ele um protocolo de que estava apto. Mas qualquer um poderia chegar lá e pegar esse papel, desde que estivesse em dia. Se ela não o reconhecesse, o cara votaria dez, cem vezes..."A diretoria estuda um mecanismo igual ao de entrada dos sócios no clube, por meio da palma da mão. Isso dificultaria a distribuição de protocolos de autorização de voto. O assunto deverá ser discutido quando as chapas forem registradas, em janeiro.CONSELHEIROSO Conselho Superior da Magistratura (CSM) considerou a juíza Lucila Toledo Pedroso de Barros Menezes Gomes, da 5.ª Vara Cível, no Tatuapé, impedida de julgar o caso dos conselheiros vitalícios.Ação aberta pelo sócio Rolando Wohlers questiona a validade do título de 154 vitalícios, entre eles o presidente corintiano Andres Sanches e o Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por não terem sido aprovados em assembléia geral (no caso de Lula nem pelo Conselho Deliberativo).Ele pede a destituição de todos. A juíza já havia se julgada impedida porque um dos conselheiros é seu sogro, mas levou o caso ao CSM. O órgão decidiu distribuir o processo a outro juiz, Paulo Guilherme Amaral Toledo, da 1.ª Vara Cível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.