Ordem na Ponte é evitar badalação

Há sete rodadas na liderança do Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta chegou aos 32 pontos após a vitória sobre o Santos, por 1 a 0, quarta-feira, na Vila Belmiro. Tendo como grandes trunfos, a união e a humildade, a ordem no agitado Estádio Moisés Lucarelli, o Majestoso, é rejeitar qualquer tipo de badalação. Quem bate nesta tecla é Nenê Santana, técnico interino após a saída de Vadão para o futebol japonês, e que comandará o time, de novo, diante do Internacional, domingo à tarde, em Campinas. "Os jogadores precisam manter os pés no chão e continuarem concentrados. Cada jogo é uma história", repetiu Santana, várias vezes. A sua opinião é compartilhada pelo meia Danilo, um dos destaques da campanha surpreendente do time. "Para quem no início do ano era tido como sério candidato ao rebaixamento, estar na liderança há sete rodadas é algo interessante. Apesar disso, não podemos nos esquecer que ainda estamos muito longe de conquistar alguma coisa." Aproveitando a maré positiva, a diretoria resolveu "congelar" a procura por um novo técnico. Estevam Soares não pode assumir o cargo agora e Nelsinho Baptista não admite romper seu compromisso com o Nagoya Grampus, do Japão. O objetivo da direção é levar um grande público ao estádio domingo, talvez perto de 15 mil torcedores. Para superar o Internacional, Nenê Santana não poderá contar com o volante Éverton, suspenso pelo terceiro amarelo. Em contrapartida, os volantes Ângelo e André Silva, além do zagueiro Galeano, estarão à disposição. A escalação deverá ser confirmada após o coletivo previsto para esta sexta-feira à tarde no Majestoso, que continua em êxtase com a inesperada liderança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.