Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Organizada cobra presidente do Cruzeiro por corte de regalias

Gravação mostra discussão entre Quik, da Máfia Azul, e Gilvan

Leonardo Augusto, Especial para O Estado de S. Paulo

19 Agosto 2015 | 08h43

Gravação (ouça) feita por um integrante da torcida organizada Máfia Azul, do Cruzeiro, mostra discussão com o presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares, por causa do corte de regalias que o time mantinha para a facção. O representante da torcida organizada, conhecido como Quik, que aparentemente captou o áudio sem que Tavares percebesse, pede reunião com o cartola, afirma que o clube atualmente está sendo "deselegante" e cobra ingressos para a partida contra o Corinthians, em São Paulo, no domingo.

A gravação foi colocada em grupos restritos do aplicativo Whatsapp, mas rapidamente vazou para outras redes sociais. O presidente do Cruzeiro retruca Quik sobre o pedido de reunião: "Como é vão conversar comigo se a torcida está só me ofendendo? Vou receber sujeito que está me mandando tomar no c...?" O presidente do Cruzeiro vem sendo muito criticado e xingado durante partidas do clube, que depois de vencer dois brasileiros consecutivos, não faz boa campanha em 2015.

"Estou fazendo o que posso fazer. Deixa eu falar para vocês porque vocês não entendem. O Cruzeiro fez um sacrifício financeiro para ganhar dois títulos. Aí nós ficamos completamente endividados. Estamos pagando dívidas. Ninguém ganha título todos os anos", argumenta o cartola.

Em outro trecho, Quik afirma: "Parece que o senhor não quer saber da Máfia Azul. Esqueceu, abandonou. É um patrimônio do clube". "Não abandonei ninguém. Só que vocês morrem de raiva porque vocês tinham emprego aqui no Cruzeiro, vocês tinham aluguel de sala pago, tinham ingresso, tinham ônibus pago", rebate Tavares.

Em seguida o presidente diz que não vai dar ingresso, dinheiro, emprego e que não vai pagar fala. Na sequência, porém, confirma a liberação de ingressos para a partida contra o Corinthians. "Vai ser a mesma coisa que o Valdir fazia", diz o presidente do Cruzeiro, se referindo a Valdir Barbosa, ex-diretor de Futebol do time que se transferiu essa semana para o Coritiba. 

Mais conteúdo sobre:
futebolCruzeiroBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.