Vitor Marques/Estadão<br>
Vitor Marques/Estadão

Organizada corintiana marca protesto para sexta e quer Mano fora

Torcedores pretendem se reunir com jogadores e comissão técnica após derrota e decretam: 'não podemos aceitar um time apático'

VÍTOR MARQUES, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 14h40

A histórica eliminação nas quartas de final da Copa do Brasil, com a derrota por 4 a 1 para o Atlético-MG na última quarta-feira, no Mineirão, não passará em branco no Corinthians. Se o presidente Mário Gobbi pregou tranquilidade e prometeu manter Mano Menezes, a Gaviões da Fiel, principal torcida organizada do clube, convocou um protesto para esta sexta-feira no CT Joaquim Grava.

"Atenção nação corintiana, amanhã (sexta) vamos ao Centro de Treinamento do SCCP (Sport Club Corinthians Paulista) para cobrarmos elenco e comissão técnica. Não podemos aceitar um time apático, que conseguiu perder uma classificação que estava praticamente em nossas mãos. Os Gaviões convocam você corintiano para se unir a essa única voz, a da fiel torcida", dizia comunicado no site da organizada.

A principal exigência é justamente a saída de Mano Menezes, apontado pela Gaviões como maior responsável pela eliminação. "Técnico Mano Menezes, pedimos o seu afastamento ou sua demissão, você nos envergonha e não nos representa", apontou a torcida, que ressaltou que se manifestará "do lado de fora do CT".

Ainda de acordo com o comunicado, o protesto está marcado para a parte da tarde. A organizada fará concentração em sua sede a partir das 13 horas e promete chegar ao CT Joaquim Grava duas horas depois. A agenda, no entanto, pode ser alterada, uma vez que o Corinthians ainda não confirmou se treinará de manhã ou à tarde nesta sexta-feira.

Depois de vencer o Atlético-MG por 2 a 0 na partida de ida, em São Paulo, e abrir 1 a 0 no jogo de volta, o Corinthians perdeu uma classificação que parecia certa. Apático e extremamente defensivo, o time paulista chamou o adversário para seu campo e permitiu a histórica reação, auxiliada, também, pela força da torcida local.

Não houve qualquer manifestação de torcedores no desembarque corintiano em São Paulo, nesta quinta, mas o clube teme que o protesto desta sexta tome os mesmos rumos do ocorrido no início de fevereiro. Na ocasião, parte da torcida, irritada com a goleada sofrida por 5 a 1 para o Santos no Campeonato Paulista, invadiu o CT e chegou a agredir funcionários e até o atacante Paolo Guerrero.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.