Site oficial do Palmeiras
Site oficial do Palmeiras

Organizada protesta antes de jogo do Palmeiras e pede demissão de 11 jogadores

Mancha Alviverde pede a saída de atletas do elenco e membros da comissão técnica e diretoria

Estadao Conteudo

12 Novembro 2017 | 15h38

Como havia prometido, a torcida organizada Mancha Alviverde compareceu neste domingo à Academia de Futebol do Palmeiras para protestar. Entre gritos e cantos que mostravam toda a irritação com a temporada do clube, pediram a saída de 11 jogadores do elenco, além de membros da comissão técnica e diretoria.

+ Presidente do Corinthians ironiza rival: 'R$ 100 milhões e não ganhou nada'

+ Palmeiras e Flamengo usam elencos valiosos por vaga na Libertadores

A manifestação foi convocada ao longo da semana, através das redes sociais. A organizada se mostrou irritada com as derrotas para Corinthians e Vitória, mas principalmente com a temporada de decepções no Brasileirão, Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Paulista em meio ao alto investimento no elenco.

Mais uma vez, um dos principais alvos foi o lateral-esquerdo Egídio, vilão da eliminação na Libertadores, quando perdeu pênalti diante do Barcelona-EQU, e destaque negativo no clássico contra o Corinthians. "Olelê, olalá, se o Egídio não sair, o bicho vai pegar", cantava a torcida.

O lateral, porém, não foi o único que teve a demissão exigida. Em comunicado, a Mancha Alviverde fez uma "lista de dispensa", que contava ainda com o lateral-direito Fabiano, os zagueiros Juninho, Antonio Carlos e Luan, os volantes Bruno Henrique e Arouca, o meia Michel Bastos e os atacantes Róger Guedes, Erik e Deyverson.

"Os jogadores não podem ser poupados e tratados como crianças mimadas. São profissionais e devem ser cobrados pelos serviços prestados. Entendemos que esta relação de atletas não deve continuar no Palmeiras em 2018", explicou a organizada.

A Mancha Alviverde também protestou contra o presidente Maurício Galiotte, o ex-presidente Mustafa Contursi, o diretor de futebol Alexandre Mattos, o técnico Alberto Valentim e até o ex-treinador Cuca. "O ano de 2017 foi lamentável e os principais responsáveis são o nosso presidente e o diretor remunerado", considerou.

É com este clima de pressão que o Palmeiras entra em campo neste domingo diante do Flamengo, no Allianz Parque. O time alviverde tem 54 pontos, é o quarto colocado e precisa vencer para encaminhar a vaga na Libertadores.

Mais conteúdo sobre:
futebol Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.