Organizadores reconhecem existência de cambistas na Copa

Pela primeira vez durante a Copa do Mundo da Alemanha, o Comitê Organizador da competição admitiu, nesta quinta-feira, a existência de um mercado paralelo com o objetivo de comercializar ingressos para os jogos do torneio. "Há muitas fontes para abastecer os cambistas. Quem está disposto a pagar consegue qualquer tipo de entrada", disse Horst Schmidt, vice-presidente do órgão, em entrevista ao jornal alemão Tagesspiegel. Ele disse que os britânicos são os que mais compram ilegalmente as entradas. Para Schmidt, a ação dos cambistas só será extinta se o país anfitrião atuar de forma rigorosa. Ele também lembrou que com o programa de opção de compra de ingressos foi possível satisfazer a 240 mil pedidos, das 260 mil entradas que havia na lista de espera. O vice-presidente confessou que o Comitê Organizador da Copa da Alemanha teve problemas com a Fifa por causa da conduta de uma empresa suíça responsável pelo gerenciamento da venda de bilhetes. Para ele, uma companhia alemã deveria ter exercido essa função.

Agencia Estado,

06 Julho 2006 | 17h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.