Os homens que exportam nosso futebol

Todos falam em crise do futebol brasileiro, mas o País ainda é visto como o principal celeiro de craques do esporte, exportando mais de 700 craques para torneios profissionais em todo o mundo. Apesar de a lei só permitir que os atletas saiam depois dos 18 anos, é cada vez mais cedo que eles vêm saindo: "Agora basta um bom campeonato", diz o ex-goleiro e empresário Gilmar. Para Manoele Gerolin, observador da Udinese que está no Brail para acompanhar a Copa Júnior, "tecnicamente, os brasileiros ainda são os melhores". Mas é um produto-exportação vendido em estado bruto .Leia mais no Estadão

Agencia Estado,

20 de janeiro de 2002 | 10h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.