Alex Silva/ Estadão Conteúdo
Alex Silva/ Estadão Conteúdo
Imagem Robson Morelli
Colunista
Robson Morelli
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Os méritos de Crespo na conquista do título paulista pelo São Paulo

Treinador argentino se encaixa bem no clube do Morumbi e conquista primeiro troféu com poucos meses de trabalho

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2021 | 19h53

Desde o começo da temporada, o São Paulo deixou bem claro o desejo de erguer uma taça. Havia motivos para isso. Era o primeiro ano do novo presidente. O time tinha se acertado com a chegada de Hernán Crespo e de alguns poucos reforços, como Miranda e Benítez. E a fila de conquistas crescia de forma a começar a incomodar atletas e torcedores.

No Morumbi, dirigentes e comissão técnica se acertaram numa comunhão que há muito não se via. Sob a liderança de Daniel Alves, parecia claro também para o elenco que já estava na hora de o time confiar em sua condição e brigar por conquistas. Como o Campeonato Paulista Sicredi 2021 é o primeiro torneio a acabar, o São Paulo não teve receio de abrir mão de atuar com os melhores na Copa Libertadores para concentrar sua artilharia no Estadual. Sim, o Paulistinha que uns e outros não queriam, o São Paulo queria. 

Diante do Palmeiras, no Morumbi, na grande decisão após empate sem gols no Allianz Parque, o São Paulo colheu os frutos de sua organização.

Foi humilde em admitir que o regional estava de bom tamanho neste momento de secura. A sede era grande. Era tudo o que o clube precisava. A taça do Paulistão quebra jejum de 16 anos sem faturar o torneio. A última vez foi em 2005, em um Estado que não existe mais. Em 2012, o time ganhou a Sul-Americana. E de lá para cá, não festejou mais nada. A angustia foi crescendo e as cobranças aumentando a cada fracasso em jogos importantes e eliminação. Mas tudo isso ficou agora para trás. O torcedor vê um novo São Paulo, com os mesmos jogadores, mas todos diferentes. Eles estão mais confiantes. 

É preciso pontuar alguns personagens desta conquista. O primeiro deles é a chegada de Hernán Crespo, que beijou a taça lembrando os velhos tempos de atacante na Itália. O técnico argentino arrumou o time com os jogadores que tinha em mãos. Contou com o reforço de alguns bons atletas, mas a definição tática é toda sua. Trabalhou cada jogador individualmente. Fez a cabeça de todos eles. Mudou Daniel de posição. Escalou três zagueiros. Alternou atletas sem romper o laço. Fez por merecer cada abraço nesta final.

Em campo, o São Paulo foi melhor do que o Palmeiras, que não queria a taça e depois passou a querer. Como diz Muricy Ramalho, o futebol pune. Diferentemente do Palmeiras, o São Paulo sempre quis ganhar o Paulistão.

Há de se ressaltar a volta de Muricy Ramalho ao clube. Um cara totalmente identificado com as cores são-paulinas. Julio Casares também mostra-se um presidente pé quente. Tem muitos torcedores que acreditam nisso. E no futebol, essas crenças são válidas. 

É preciso ressaltar ainda a disposição de alguns jogadores de mudar suas características para servir o time. Reinaldo virou ala. Daniel voltou a ser lateral com camisa 10. Os zagueiros se acertaram e passaram a oferecer mais segurança aos colegas. Volpi parou de usar os pés em dribles ‘cardíacos’ que deixavam o torcedor sem ar.

A conquista coloca um ponto final no jejum de títulos e abre caminho para passos mais largos na temporada. O São Paulo está preparado para outras conquistas. Passou no teste com Crespo no comando. Mais modesto financeiramente, mostra-se um desafiante de peso a Flamengo e ao próprio Palmeiras nos torneios que ainda virão.

Ao Palmeiras, fica a lição de querer ganhar sempre. De não abrir mão de nenhuma taça porque todas são importantes. O time perdeu três troféus no começo deste ano. Poderia ter tido sorte melhor se tivesse trabalhado com mais apetite nas disputas, a exemplo do que ocorreu na temporada passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.