Divulgação
Divulgação

Osasco Audax tenta fazer história contra o São Paulo

Equipe sensação do Paulista quer avançar à semifinal contra grande

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de abril de 2016 | 07h00

Se para o São Paulo jogar as quartas de final do Campeonato Paulista é mera rotina e faz o clube ter de dividir as atenções com a Copa Libertadores, para o adversário deste domingo, às 18h30, o jogo vale muito. Para o Osasco Audax, o mandante do jogo, trata-se quase de um compromisso por uma Copa do Mundo.

"É o jogo mais importante da nossa história", resumiu o diretor de futebol do clube, Nei Ferreira. No terceiro ano na elite o clube manteve o projeto de contar com o técnico Fernando Diniz e o estilo de jogo sem chutões para superar a campanha do São Paulo na primeira fase.

Os resultados do Osasco Audax devem fazer o estádio José Liberatti estar lotado para o jogo. A presença coroa uma trajetória marcada pela desconfiança. Os gestores do clube adquiriram em 2014 o antigo Pão de Açúcar, que havia acabado de subir à elite do futebol estadual.

Como a antiga equipe estava para ser desativada, o grupo de empresários deu um jeito de entrar em ação e recomeçar o projeto. "Houve desconfiança da torcida no começo. Mas pouco a pouco a presença deles tem aumentado. Logicamente, não dá para se transferir a paixão de uma torcida", disse o dirigente.

O mesmo grupo investidor controla o Osasco Audax, o Grêmio Osasco (Série A-3 do Paulista), Osasco FC (quarta divisão do Paulista) e o Audax Rio (Campeonato Carioca da Série B). A mentalidade empresarial aplicada ao futebol também propiciou vantagens neste ano.

O diretor de futebol explicou que sem a pressão da torcida nem o ambiente político de grandes clubes, pode dar autonomia ao trabalho dos funcionários e tranquilidade ao técnico mesmo após três derrotas seguidas neste Estadual.

Os bons resultados em 2016 fazem o clube ter a melhor campanha da história, mas nem por isso são surpresa. A diretoria, chefiada pelo presidente Vampeta, admite que acreditava desde o início na chegada da recompensa do trabalho.

Uma das principais filosofias está no estilo de jogo. A equipe está proibida de dar chutões (nem sequer os goleiros), prioriza a posse da bola e a incessante troca de passes.

A cartilha tem sido aplicada até nas recém-criadas categorias da base. O clube tem 19 núcleos para os garotos em parceria com a prefeitura. Em um dos centros de treinamento há um campo específico para os goleiros aprimorarem a reposição de bola com os pés, atributo obrigatório no Osasco Audax. A esperança para bater o São Paulo são os gols de Rodrigo Andrade, vice-artilheiro do Estadual com oito gols.

Do outro lado, o São Paulo vive o primeiro momento de definição na temporada. A equipe tenta confirmar vaga na semifinal do Estadual neste domingo e na quinta, enfrenta o The Strongest, pela Copa Libertadores, na altitude de 3,6 mil metros de La Paz.

A maratona de partidas fez o técnico Edgardo Bauza ser cauteloso para escalar o time. O trabalho de escolha dos titulares foi apenas na manhã de ontem, sem a presença dos jornalistas, e teve como critério importante o desgaste dos atletas.

O treinador deve escalar Lugano, que não saiu do banco na vitória sobre o River Plate na quarta-feira, e no lugar de Maicon. Outra mudança é João Schmidt. O volante machucou o joelho direito. O favorito a substituto é Thiago Mendes.

Caso vença pela primeira vez fora de casa no ano (ou vença nos pênaltis) e chegue à semifinal, o time terá mais uma decisão em breve. A próxima fase do Paulista será já no fim de semana seguinte.

FICHA TÉCNICA

OSASCO AUDAX X SÃO PAULO

AUDAX (4-3-3): Sidão; Francis, Bruno Silva, André Castro e Velicka; Tchê Tchê, Camacho e Juninho; Mike, Ytalo e Bruno Paulo; Técnico: Fernando Diniz.

SÃO PAULO (4-2-3-1): Denis; Bruno, Lugano, Rodrigo Caio e Mena; Hudson e Thiago Mendes; Michel Bastos, Ganso e Kelvin; Calleri. Técnico: Edgardo Bauza.

Juiz: Jose Claudio Rocha Filho

Local: Prefeito José Liberatti (Osasco)

Horário: 18h30

Na TV: SporTV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.