Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Oscilações e baixo poder de reação do São Paulo preocupam Dorival

Time deixou 11 pontos escaparem por ter cedido empate ou tomado a virada em jogos em que saiu na frente

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2017 | 07h00

O São Paulo estaria numa situação bem diferente no Campeonato Brasileiro se não tivesse cedido o empate ou tomado a virada em jogos em que saiu na frente no placar. As oscilações do time ao longo dos 90 minutos preocupam o técnico Dorival Junior, que quer ver maior consistência no grupo.

+ São Paulo inicia venda de ingressos para 'despedida' do Morumbi

A equipe deixou 11 pontos escaparem desta forma. Esteve na frente, mas sofreu o empate de Fluminense (10.ª rodada, em que o jogo terminou 1 a 1), Atlético-GO (13.ª, 2 a 2), Ponte Preta (23.ª, 2 a 2) e Corinthians (25.ª, 1 a 1), no último domingo. Contra o Palmeiras (na 22.ª rodada), sofreu a virada e perdeu por 4 a 2. Dos 15 pontos disputados nestes jogos, conquistou apenas quatro.

Outro elemento incômodo é que, diferente desses adversários, o São Paulo demonstrou ter pouco poder de reação depois de sofrer gols. O time saiu atrás no marcador em 13 partidas, e só conseguiu evitar a derrota em três - empatou com o Grêmio, na 16.ª rodada, e com o Avaí, na 21.ª, ambos por 1 a 1, e conseguiu sua única virada diante do Botafogo, pela 17.ª rodada do Brasileirão, quando fez três gols nos dez minutos finais da partida e saiu vitorioso por 4 a 3. Contra o Santos, pela 12.ª rodada, ficou no quase: depois de ver o time praiano abrir 3 a 0 no placar, reagiu e marcou dois gols no segundo tempo, mas não conseguiu evitar a derrota por 3 a 2.

Para o treinador são-paulino, as oscilações acontecem porque o time ainda busca um entrosamento completo - algo apontado como uma dificuldade por conta das transferências feitas pela diretoria tricolor enquanto a equipe tentava se acertar no Brasileiro. “Temos vários jogadores que ainda não atuaram mais de dez partidas pelo clube”, justifica Dorival. “Falta equilíbrio e uma consciência do conjunto do grupo. Os jogadores precisam saber a forma como os colegas se movimentam, e isso só se desenvolve com trabalho.”

Ciente de que a margem de erro é cada vez menor para o São Paulo, que continua na zona de rebaixamento depois de 25 rodadas do torneio, Dorival garante que o tempo e os treinamentos vão resolver o problema do time. “Já sofremos muitos gols em momentos em que estávamos controlando o jogo, com posse de bola. A equipe corrigiu muitos dos problemas que vinha apresentando e é questão de tempo para alcançar os resultados.”

Apesar da permanência do São Paulo na zona de rebaixamento, há consenso internamente de que a equipe melhorou nas últimas partidas. Apesar das polêmicas e reclamações envolvendo a arbitragem, o duelo contra o Corinthians teve balanço positivo para o grupo. A atuação diante dos líderes do torneio fez a confiança do grupo aumentar. “Fizemos um grande jogo”, afirma Dorival. "Tivemos boa posse de bola, consistência, objetividade e, nos momentos de dificuldade, isso é fundamental. O primeiro tempo foi muito bom e, no segundo, estávamos bem, só demos um pouco mais de espaço ao Corinthians, algo que precisa de correção.”

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.