Oséas chega e Roni pode ser o próximo

O centroavante Oséas vestiu hoje pela primeira vez a camisa do Santos, ao ser apresentado aos jornalistas, mas ainda não sabe quando fará sua estréia. "Estou treinando apenas fisicamente e faz tempo que não pego numa bola", disse ele, acrescentando: "a vontade de jogar é grande, mas não podemos atropelar". Isso significa que o atleta vai entrar em plena forma antes de enfrentar o desafio de agradar a exigente torcida do Santos". Por outro lado, o gerente de futebol, Ilton José da Costa, confirmou o interesse do Fluminense em contar novamente com o zagueiro André Luís e as negociações foram iniciadas para que o Santos receba, por empréstimo, o atacante Roni. "É um excelente jogador e que interessa, mas é uma negociação difícil por causa dos salários que recebe e que estão fora do limite fixado por nosso clube", disse ele. Os santistas pretendem ceder o zagueiro André Luís, que renovou contrato no sábado, por empréstimo, e aceitam receber Roni. "Estamos negociando a possibilidade de o Fluminense arcar com parte dos salários", disse Ilton José da Costa. Oséas passou rapidamente por Santos. Assinou hoje seu contrato até 30 de maio e deu uma rápida entrevista à imprensa, pouco antes do início da partida contra o América Carioca. Estava previsto que entraria em campo para fazer uma saudação à torcida, mas esse plano teve de ser cancelado, pois ele retornou hoje mesmo para Belo Horizonte. Anunciou que voltará a Santos terça-feira, quando será integrado ao grupo e iniciará os treinamentos. É pouco provável que ele estréie sábado, contra a Ponte Preta, por conta da cautela que está mantendo. Admite estar fora de forma, pois não atua desde o final de novembro e, nesse tempo, fez apenas treinamentos físicos, sem bola. "A expectativa de acerto era grande e o mais ansioso era eu", disse ele, revelando que "jogar no Santos era um plano antigo". Satisfeito em voltar ao futebol paulista, espera ter sucesso na Vila Belmiro: "em todos os times que passei conquistei títulos e espero ajudar os companheiros a conseguir os títulos que o time busca". A demora para acertar com o Cruzeiro foi em conseqüência da discussão sobre seu passe. Ele acabou assinando novo contrato de um ano com o time mineiro - condição para que o empréstimo ao Santos fosse possível - e, ao final, será dono do passe. Estranhou o contrato curto, de cinco meses, mas há possibilidade de prorrogação. "O contrato é curto e terei pouco tempo para mostrar meu trabalho, mas espero corresponder à expectativa do clube e da tocida".

Agencia Estado,

20 de janeiro de 2002 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.