Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Osorio ataca diretoria do São Paulo e confirma sondagem do México

Técnico, no entanto, nega que entregará o cargo no domingo

CIRO CAMPOS, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2015 | 13h41

A rotineira entrevista coletiva de Juan Carlos Osorio nesta sexta-feira teve tom bem diferente do habitual. O técnico do São Paulo demonstrou estar irritado com a especulação sobre um possível acerto com a seleção mexicana e apesar de negar que deixará o cargo no domingo, como afirmou a imprensa colombiana, o treinador não poupou a cúpula são-paulina. Ele disse que não confia na diretoria.

Osorio demorou mais do que o habitual para aparecer na sala de entrevistas do CT da Barra Funda e em alguns momentos deixou o ar calmo para falar em tom mais pesado. Quando questionado se confiava na diretoria do São Paulo, o colombiano foi incisivo. "Pelo que fizeram com o elenco e com os desfalques, não", afirmou o treinador, que está desde junho no cargo e perdeu oito jogadores negociados para clubes do exterior.

O descontentamento com a saída de atletas não é novidade. Osorio disse em entrevistas anteriores que quando foi procurado pelo São Paulo, não foi informado da situação financeira complicada do clube e da necessidade de negociar jogadores. Do time titular utilizado pelo treinador em suas primeiras partidas, saíram, por exemplo, os zagueiros Rafael Toloi e Dória, além dos volantes Souza e Denilson.

Durante a entrevista o técnico avisou que para não existir dúvidas, responderia em espanhol as perguntas sobre a possibilidade de dirigir a seleção mexicana. Osorio disse que é falsa a informação publicada por um jornal colombiano de que deixaria o São Paulo após o clássico com o Palmeiras, no domingo, porém a chance de sair do clube não está descartada. "Quero ganhar do Palmeiras, quero ganhar do Vasco (na quarta) e depois sentar e tomar a minha decisão. O futebol brasileiro é de resultados e tenho que pensar nas minhas possibilidades", comentou.

Um antigo sonho do treinador pode pesar para uma possível saída dele do São Paulo em breve. Osorio disse que tem como objetivo trabalhar em uma Copa do Mundo e afirmou que pretende concretizar isso antes dos 60 anos - o técnico está com 54. "O México é uma seleção de elite. Não nego que tivemos conversas. Meu contrato não tem cláusula que me garanta dinheiro caso eu saia, então tenho o meu direito de tomar decisões. Por enquanto, estou 100% no São Paulo".

O México tem como técnico interino o brasileiro Ricardo Ferretti, que vai ficar no cargo por apenas duas partidas. Esse período se encerra em novembro, quando a equipe inicia a disputa por vaga na Copa do Mundo da Rússia e pode ter no comando um outro treinador. Osorio trabalhou no país da América Central entre 2011 e 2012 no Puebla e antes de acertar com o São Paulo, foi sondado pelo Cruz Azul.

"Há muita gente cínica e hipócrita no futebol. A verdade é que em quatro jogos ruins, eu posso não estar aqui. Eu não me pago ao trabalho, mas aos jogadores", atacou Osorio.

O contrato dele com o São Paulo vai até o fim de 2017 e como explicado pelo próprio Osorio, o vínculo não estipula o pagamento de multa rescisória em caso de saída do cargo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.