Alex Silva/Estadão Conteúdo
Alex Silva/Estadão Conteúdo

Osorio elogia a atuação do time no clássico e reclama de pênalti

Técnico são-paulino aprova desempenho e cobra 'mão' de Uendel

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2015 | 20h14

O empate do São Paulo com o Corinthians em 1 a 1 neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, arrancou elogios do treinador do time do Morumbi. O colombiano Juan Carlos Osorio defendeu a produtividade ofensiva e a utilização do esquema com três defensores e reclamou da falta de marcação de um pênalti nos acréscimos, quando Wesley chutou e a bola desviou em Uendel.

"Chutamos três bolas na trave, o que não é casualidade. Isso foi um produto do jogo. Nossa defesa com três homens teve um bom comportamento no jogo", comentou Osorio, que tem insistido no esquema para liberar os alas. O estreante Luiz Eduardo foi elogiado pelo técnico, assim como a atuação do lateral-direito Auro. O jogador entrou no segundo tempo no lugar de Bruno e criou boas jogadas ofensivas.

Apesar da defesa satisfazer ao técnico, Osorio admite a necessidade de melhorar o setor. Assim como na partida anterior, na derrota por 3 a 1 para o Atlético Mineiro, a linha da retaguarda voltou a ficar exposta em alguns momentos, como no segundo tempo. "A nossa proposta é muito agressiva. Concordo que às vezes sofremos risco, mas é uma decisão pessoal e que trabalhamos dia a dia", explicou.

O domínio do São Paulo em finalizações rendeu três bolas na trave no primeiro tempo, mais um gol anulado de Paulo Henrique Ganso e momentos de pressão nos minutos finais, quando o zagueiro Felipe foi expulso. No principal lance de perigo, o time reclamou de pênalti e Osorio endossou a queixa. "Na jogada, todos os atletas reclamaram bastante. Penso que foi pênalti", disse o técnico. O árbitro gaúcho Leandro Pedro Vuaden assinalou apenas escanteio após o desvio em Uendel.

A boa atuação no Morumbi compensou a derrota na rodada anterior para o Atlético, há 10 dias. "Evoluímos bastante e o time mostrou uma melhora substancial. Mas ainda não estamos prontos", declarou o treinador, que ainda vê a equipe com chance de título e citou o Brasileirão de 2008 como exemplo. Naquele ano, o São Paulo ficou 11 pontos atrás do Grêmio no segundo turno, mas conseguiu reagir e terminar como campeão. "Temos todo um segundo turno e com a possibilidade de jogar contra Palmeiras, Corinthians e Atlético Mineiro novamente. Espero que a gente consiga resultados diferentes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.