Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Osorio faz reunião para 'lavar roupa suja' após derrota do São Paulo

Técnico colombiano cobra elenco depois de perder para o Goiás

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2015 | 21h21

O elenco do São Paulo se reuniu por 45 minutos, antes do treino desta segunda-feira, para conversar sobre as razões da derrota para o Goiás, por 3 a 0, no último sábado, pelo Campeonato Brasileiro. Foi uma espécie de "lavagem de roupa suja".

"Conversamos com ele (Osorio) e, depois, só os atletas. Ele nos cobrou, mas são coisas particulares", disse o zagueiro Luiz Eduardo, em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, no CT do clube. "Nós fizemos jogos excelentes contra Atlético-MG, Corinthians e Figueirense, mas perdemos a chance de entrar no G4", completou o zagueiro.

O zagueiro revelou que o técnico reafirmou sua responsabilidade na primeira derrota do clube em casa no Campeonato Brasileiro. "Ele falou que assumiu a culpa. Isso mostra o quanto ele é diferente dos outros treinadores", elogiou o zagueiro.

Logo após a partida de sábado, Osorio afirmou que as críticas aos jogadores não eram justas. Toloi e Ganso foram os mais criticados pela torcida. "Não acho que as críticas aos jogadores são justas. O Rafael combateu, lutou, tratou de jogar. Quando entrou, o Paulo Henrique fez o mesmo. Se a torcida quer buscar um culpado, sou eu", disse Osorio, em entrevista coletiva após a derrota de sábado.

Mesmo com a derrota, Luiz Eduardo defende o rodízio de atletas que vem sendo implantado pelo técnico Juan Carlos Osorio. Antes da partida, o treinador fez oito mudanças na equipe, duas delas por questões médicas, em relação ao time que havia vencido o Figueirense.

"Ele (Osorio) passa uma segurança grande para todo o grupo. O jogador tem de estar preparado para qualquer situação. Ele estudou e sabe o que está fazendo. Nós estamos assimilando bem. Com o tempo, vamos nos firmar independentemente de quem venha a jogar", afirmou o zagueiro em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, no CT da Barra Funda. "O pouco tempo de trabalho entre um jogo e outro pode não ter sido suficiente para tudo acontecer bem. Tudo o que é novo precisa de um tempo de adaptação", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.