Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Oswaldo admite expectativa no Atlético-MG por final do Flamengo na Sul-Americana

Caso time carioca seja campeão, mineiros disputarão pré-Libertadores

Estadão Conteúdo

04 de dezembro de 2017 | 10h34

Oswaldo de Oliveira não escondeu que o ano do Atlético Mineiro ainda não acabou. O técnico admitiu na noite deste domingo que o clube está na expectativa pelas finais da Copa Sul-Americana e que vai torcer pelo Flamengo, apesar da rivalidade. Não é por acaso. Se o time carioca for campeão, o Brasileirão dará mais uma vaga na Copa Libertadores e o Atlético será o beneficiado.

+ Atlético-MG deve contratar Arouca, do Palmeiras, por empréstimo

+ Clayton sofre grave lesão em treino do Atlético-MG e pode passar por cirurgia

"Estou feliz com o que aconteceu desse que assumi a equipe. Conseguimos seis vitórias, subimos bastante na tabela e terminamos em 9º lugar. Em que pese o jogo de hoje não ter sido a maravilha que queríamos, conseguimos vencer e ainda estamos vivos ao menos até o dia 13", afirmou o treinador, referindo-se à data do segundo jogo da final da Copa sul-americana.

O jogo de ida da decisão será nesta quarta. O Flamengo enfrentará o tradicional Independiente, da Argentina. Se faturar o título, abrirá mais uma vaga para os brasileiros na Libertadores. Assim, o Atlético, mesmo terminando em 9º no Brasileirão, herdará uma das vagas na fase preliminar da Libertadores.

Para Oswaldo, a vaga iria coroar o esforço atleticano na reta final do Brasileirão. "Foi sofrido, difícil, mas acho que não tem medida o esforço da equipe, o senso profissional, o suor de cada um na direção. Por isso, ainda estamos vivos naquilo que a gente considera que era o objetivo do clube o ano todo."

O último capítulo do esforço foi a vitória por 4 a 3 sobre os reservas do Grêmio, neste domingo, no Independência. "Em primeiro lugar, quero valorizar o Grêmio que é o grande campeão da Libertadores e, por isso, essa equipe deles foi tão lutadora, tão mobilizada, e conseguiu, em alguns momentos, fazer nossa equipe sofrer tanto. Tivemos que fazer quatro gols para vencer a partida e só ficamos à frente no placar quando tínhamos um homem a menos", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.