Oswaldo critica regulamento e cobra 'ressurreição'

Santos enfrenta o Mixto pela Copa do Brasil nesta quarta-feira

Sanches Filho, O EStado de S. Paulo

13 de abril de 2014 | 21h00

SANTOS - O técnico do Santos, Oswaldo de Oliveira, elogiou a heroica conquista do título do Campeonato Paulista pelo Ituano, na decisão por pênaltis, mas fez questão de destacar que o lance mais perigoso de gol do adversário ocorreu numa cobrança de falta e que o Santos teve inúmeras oportunidades para matar o jogo no tempo regulamentar.

"O desempenho do Ituano foi irretocável à luz desse regulamento e é o campeão de fato e de direito. Reforço hoje (domingo) o que eu já disse em outras oportunidades: o time (Santos) que tem a melhor campanha e faz sete pontos a mais do que o adversário merecia jogar por dois resultados iguais, como aconteceu na maioria dos outros campeonatos pelo País."

O clima no vestiário santista lembrava o de um velório após a derrota nos pênaltis para um adversário cuja folha de pagamento é inferior ao salário de Leandro Damião. Só não era pior do que o do ano passado, na Vila Belmiro, após o empate que deu o título ao Corinthians e provocou a demissão de Muricy Ramalho dias depois. Como o segundo fracasso consecutivo na decisão do Estadual não ocorreu diante de um grande da capital, o estrago, em tese, será menor e a ressaca vai durar pouco tempo.

Resta motivar o elenco. O desafio de Oswaldo agora é reanimar a maioria dos jogadores, especialmente os mais jovens, que podem se sentir como se estivessem voltando para o fim da fila, após terem ficado a um passo da consagração.

"O nosso trabalho começou há três meses e alguns dias e vamos dar continuidade a ele. A ressurreição da equipe tem de acontecer. Na quarta-feira já estaremos competindo em outra frente, que é a Copa do Brasil, e domingo vamos estrear no Campeonato Brasileiro. Da forma que o futebol brasileiro tem o seu calendário, não há tempo para ficarmos lamentando", afirmou Oswaldo.

Como o primeiro jogo da primeira fase da Copa do Brasil, contra o Mixto-MT, em Cuiabá, terminou empatado por 0 a 0, o jogo da volta se fez necessário e será na Vila Belmiro. E é provável que Oswaldo preserve os jogadores que saíram mais desgastados da decisão paulista.

Um deles é Leandro Damião. Na metade do segundo tempo do jogo deste domingo, chegou ao fim a paciência da torcida com o atacante que custou R$ 42 milhões ao Santos, na maior transação da história entre clubes brasileiros. Depois de dois erros seguidos de Damião, o Pacaembu inteiro passou a pedir a entrada de Gabriel.

Logo em seguida, Oswaldo fez a troca e deve manter a mudança no jogo contra o Mixto. Outro jogador que deve continuar no time é Alison, que foi um dos destaques do Santos na final. Geuvânio, que voltou decepcionar, pode perder a posição para Rildo, que entrou bem no jogo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.