Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Oswaldo de Oliveira diz que expulsão de Elias pesou para derrota do Atlético-MG

Treinador demonstra confiança de que conseguirá reabilitar a equipe no campeonato

Estadão Conteúdo

19 Outubro 2017 | 09h58

O técnico Oswaldo de Oliveira lamentou a derrota para a Chapecoense por 3 a 2, nesta quarta-feira, no Independência, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro, que deixou o clube mais longe do objetivo de conquistar uma vaga na Copa Libertadores de 2018.

+ Mano admite erros do Cruzeiro contra Coritiba, mas mira recuperação em clássico

O treinador considerou a expulsão do volante Elias, que completava 50 jogos com a camisa atleticana e foi vaiado por parte da torcida, como fator que provocou mudanças na estratégia dele para a partida e pesou para o revés.

"Infelizmente, a gente teve a expulsão. Daí ficou uma situação mais difícil. Ainda conseguimos empatar o jogo. É uma coisa que sempre levo muito em consideração na preparação da equipe: jogar com um homem a menos, jogar com um homem a mais, jogar com um homem a menos precisando fazer o gol ou para resistir ao adversário. Infelizmente não deu", disse, admitindo que o time se desorganizou após a expulsão de Elias.

Oswaldo explicou que ainda tentou alterar o time após conquistar o empate em 2 a 2, com o gol de Fred, mesmo em desvantagem numérica em campo para evitar a oitava derrota do time em casa e que confirma o Atlético Mineiro como um dos piores mandantes do Brasileirão.

"A partir do momento que fizemos o gol de empate, era para resistirmos em nosso campo. O Otero e o Robinho em velocidade tentaram no contra-ataque definir a partida. Falo isso não de uma forma sem experiência. Já fiz isso várias vezes e consegui sair bem-sucedido", lamentou.

Com 38 pontos, o Atlético Mineiro está em posição intermediária na tabela do Nacional e terá que buscar a reabilitação no clássico com o Cruzeiro, marcado para o próximo domingo, às 17 horas, no Mineirão, pela 30.ª rodada da competição. Mas o desafio é encarado com naturalidade pelo comandante atleticano.

"Na minha carreira, me habituei a lidar com momentos difíceis. E normalmente consigo solucionar. É isso que vou tentar fazer. Porque uma eventual derrota, principalmente quando a equipe já vem com irregularidades, é admissível. A gente não pode é se entregar. Vamos tentar usar todos os recursos possíveis para fazer a equipe se reerguer, se equilibrar e buscar a vitória no próximo jogo. Estamos trabalhando com muita seriedade", finalizou Oswaldo de Oliveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.