Oswaldo de Oliveira elogia 2.º tempo do Santos e defende Damião

Técnico se mostra satisfeito com foleada contra a Ponte e valorizou velocidade no contra-ataque

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2014 | 23h09

SANTOS - Oswaldo de Oliveira ficou satisfeito com a vitória por 4 a 0 sobre a Ponte Preta, conquistada na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, mas disse que o Santos poderia ter decidido o jogo das quartas de final do Paulistão mais cedo, ainda no primeiro tempo, marcando o segundo gol. "Na segunda etapa, o time foi mais contundente e com a necessidade da Ponte de sair mais, a gente explorou bem o que nos caracteriza, que a velocidade no contra-ataque", afirmou o treinador.

Em vez de elogiar Cícero, Geuvânio, Gabriel e Diego Cardoso, autores dos gols que colocaram o time nas semifinais do Campeonato Paulista, Oswaldo preferiu sair em defesa de Leandro Damião, que voltou a passar em branco no jogo desta quarta. "Ele tem sido (no Santos) melhor do que o Damião no Inter. Solidário, faz leitura perfeita do que eu peço. Damião sempre volta para ajudar na marcação e tem visão da equipe, além de ter entendido com facilidade o que eu tenho proposto. Mas é claro que Damião não saiu satisfeito porque pesa para um camisa 9 não marcar num jogo de quatro gols", ressaltou.

Artilheiro do time em 2013, com 24 gols, Cícero voltou a ser decisivo na classificação santista para as semifinais do Paulistão, ao abrir o caminho para a goleada aos 21 minutos do primeiro tempo, quando a Ponte ainda oferecia resistência. Geuvânio cobrou escanteio na direita, Ferrugem rebateu mal e Cícero, pelo meio, finalizou de direita, com sucesso. Depois do jogo, o jogador preferiu elogiar o time inteiro a comemorar o gol.

"Uma vitória não se faz com um jogador só, mas com o conjunto", disse Cícero, satisfeito com a nova apresentação da nova geração dos Meninos da Vila. "A pegada é essa mesma, e tem que continuar dessa forma porque o campeonato ainda não terminou", reforçou. Além do gol, Cícero deu assistência para o de Diego Cardoso e foi bem na passagem da bola do meio para o ataque.

Os companheiros até se esforçaram, passando a bola para Leandro Damião também marcar o seu gol na vitória por 4 a 0 contra a Ponte, mas ele falhou nas poucas chances que teve para finalizar. Entretanto, o atacante encontrou um motivo para festejar: a assistência de "bicicleta" que deu para Geuvânio marcar o segundo gol da vitória. "Já estamos entrosados e, além disso, Geuvânio é rápido e está sempre ligado na jogada. Ele faz isso nos treinos e hoje soube driblar o zagueiro e fazer o gol".

Damião concorda com Cícero e diz que o time tem de continuar jogando com seriedade na semifinal. "Estamos ganhando com muitos gols, mas não vamos menosprezar ninguém".

O garoto Diego Cardoso, 20 anos, artilheiro da Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano com nove gols, tem aproveitado bem as poucas oportunidades que vem recebendo de Oswaldo. No jogo desta quarta-feira, ele substituiu Damião pouco depois da metade do segundo tempo e sete minutos mais tarde avançou pelo meio e marcou o quarto gol, numa jogada iniciada por Thiago e com a assistência de Cícero. "O meu gol ajudou a equipe e fiquei feliz por ter entrado", disse o atacante. "Vamos continuar com os pés no chão porque daqui para frente não tem favorito", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.