Divulgação
Divulgação

Oswaldo de Oliveira vira garoto-propaganda no Japão

Técnico relembra época anterior à carreira no futebol, quando participava de campanhas publicitárias no Brasil

estadão.com.br

24 de agosto de 2011 | 13h35

TÓQUIO - O técnico Oswaldo de Oliveira, do Kashima Antlers, virou garoto-propaganda no Japão. A convite do Joyo Bank, um banco japonês com sede na cidade Mito, província de Ibaraki, o brasileiro foi o escolhido por sua popularidade no país para participar de uma campanha que oferece seguro de vida. O treinador, que foi modelo e participou de campanhas publicitárias no Brasil na década de 70, antes de se dedicar ao futebol, terá seus outdoors distribuídos por cidades japonesas. 

Em Kofu, onde o seu Kashima Antlers empatou por 1 a 1 com o Ventforet Kofu e manteve a invencibilidade de seis jogos no Campeonato Japonês, Oswaldo pode conferir o resultado do trabalho que o fez reviver o passado. 

“Já vi outdoors com as fotos da campanha em cidades como Kashima e Sendai. O convite para participar dos anúncios mostra o carinho dos japoneses e o reconhecimento ao meu trabalho. Já tive minha biografia lançada emm livro no país e agora foi esse convite", comentou o ex-técnico do São Paulo e do Flamengo. "Pude até reviver a época em que fui garoto propaganda de campanhas no Brasil. Fiz uma da Coca-Cola durante a Copa do Mundo de 78, quando gravamos um jogo de futebol e eu dava uma lambreta num jogador. A outra foi uma campanha de Ação de Graças produzida pelo governo em 72. A gravação foi no Alto da Boavista, no Rio, e, na época, a atriz Eliane Martins participou comigo”, contou Oswaldo.

Desde que chegou ao Kashima, em 2007, a trajetória do treinador tem sido bem sucedida. Ele já conquistou sete títulos com o clube japonês: é tricampeão nacional, bicampeão da Supercopa Xerox e da Copa do Imperador. Foi eleito o melhor treinador nos anos de 2007, 2008 e 2009. Também quebrou um recorde e fez o time alcançar a marca de nove vitórias consecutivas na competição nacional. Oswaldo também acabou com o jejum de seis anos sem títulos do clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.