Oswaldo dedica vitória a Nelsinho

Oswaldo de Oliveira dedicou avitória de hoje a Nelsinho Baptista, seu antecessor no São Paulo elogiando muito o trabalho do colega. "Ele trabalhou muito beme deixou uma base segura aqui no São Paulo. O time que jogouhoje é praticamente o que ele deixou, tentei apenas dar umretoque ou outro, mesmo porque estava analisando os últimosjogos do São Paulo e já estava me inteirando das coisas do time.Dedico esta vitória ao Nelsinho". A diferença deste São Paulo em relação ao anterior, segundoOswaldo, pode ser medida apenas pela dose de sorte. "Acho quemerecemos a vitória, mas não há dúvida de que se eles empatassemnaquela bola do Muñoz, nós não conseguiríamos reagir.Essa dose de sorte foi fundamental e além disso, tivemos muitaaplicação em campo". O supercampeonato paulista pode não emocionar ninguém, masOswaldo acha muito importante sair com o título. "Quero ganharsempre, jogaremos sempre com o melhor que tivermos, mas não dápara negar que os jogadores estão sendo avaliados durante ocampeonato. As mudanças de elenco virão depois disso", disse,negando que já tivesse pedido a volta do volante Sidnei, quedirigiu no semestre passado no Fluminense. Um dos jogadores que está sendo observado é Emerson. Há um anono clube, chegou como solução para o problema da zaga e, depoisde falhas sucessivas pode ser devolvido à Portuguesa no final dosemestre. Oswaldo, ao chegar, fez questão de elogiar o jogador, queagradece muito. "Ele é um treinador competente e fez umaanálise profissional e não passional. Aquele fatídico lance doGil marcou muito a minha passagem aqui no São Paulo, mas tenhodez ou 15 anos de futebol pela frente e não vou me abater.Tennho uma boa carreira e quero dar a volta por cima aqui no SãoPaulo." Roger reclamou de tudo. Do campo, da bola, só nãoreclamou da sorte no último minuto de jogo. "Espalmei aquelabola do Muñoz com o olhar. Ela passou por trás de mim e se eufizesse alguma coisa, poderia colocar a bola para dentro. Fiqueina torcida, ela correu pela linha e o Maldonado salvou agente". A jogada começou de um descuido de Roger. Havia feito umadefesa e em vez fazer cera, tentou um contra-ataque, queterminou com o quase-gol do Palmeiras. "São dois jogos e vencerpor 1 a 0 não vale muito.Preferi arriscar, errei, mas no final deu certo. Ainda bem". O goleiro, como Oswaldo de Oliveira, pediu que o próximo jogofosse realizado em São Paulo. "Na minha opinião, clássivo temde ser na capital. Aqui, o campo é muito ruim, atrapalhou osdois times. E além disso, colocaram uma bola cinza, quase pretae com a iluminação ruim que tem aqui, ficou difícil jogar". Júlio Baptista que entrou no final do jogo e conseguiu darnovo ânimo ao São Paulo, comemorou a volta ao meio-campo."Prefiro jogar assim, vindo de trás e não no ataque. Luteimuito e sei que dei minha contribuição nesta vitória".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.