Oswaldo diz que Corinthians não cai

Ameaçado pelo rebaixamento no Campeonato Paulista, os jogadores do Corinthians assumiram a sua parcela de culpa pela péssima campanha do time. Falando em nome do grupo, o lateral-direito Rogério pediu desculpas ao torcedor e prometeu salvar o time da degola. "Só nos resta pedir desculpas ao torcedor. Mas a verdade é que se não tivemos capacidade para colocar o time entre os classificados, agora vamos ter que tirar o Corinthians dessa situação." Rogério enfrentou praticamente sozinho o batalhão de repórteres que se espremia na sufocante sala de imprensa do estádio Benedito Teixeira. Além dele, só o técnico Oswaldo de Oliveira e o volante Fabrício compareceram para as entrevistas. Rincón, um dos mais solicitados pelos jornalistas, alegou uma contusão no pé direito e foi direto para o ônibus. Os três corintianos que falaram também fizeram questão de desprezar uma eventual ajuda do São Paulo. Para escapar do rebaixamento, o Corinthians, que tem 8 pontos ganhos, precisa vencer a Portuguesa Santista, domingo, no Pacaembu. A briga é com o Juventus, que tem 6 pontos ganhos e joga com o São Paulo. O corintianos entendem que o Corinthians não precisa do auxílio do São Paulo. "Temos de cumprir a nossa obrigação, que é vencer. Depois, a gente vê o que acontece", acrescenta Rogério. Oswaldo seguiu a mesma linha do lateral. "O São Paulo é um problema do São Paulo. Nós vamos trabalhar para tirar o Corinthians dessa situação dramática. Sou profissional e já enfrentei situações parecidas. E vou tirar o Corinthians dessa situação." A maior preocupação do técnico, no momento, é não deixar que o time perca o autocontrole. Oswaldo acha fundamental que cada um mantenha os pés no chão e assuma a sua parte de responsabilidade. Esse foi o tom de seu discurso na volta de campo, quando os jogadores entraram no vestiário. "Nessas horas, é preciso passar tranqüilidade. Eles (os jogadores) sabem que o momento é difícil. Mas o Corinthians tem todas as condições para sair dessa." Oswaldo não pretende tirar o time de São Paulo. Ele sabe que a situação financeira do clube é delicada. O treinador também não vai falar em reforços até o jogo contra a Portuguesa Santista. Mas ele deixou claro que a história pode se repetir no segundo semestre se a diretoria não se mexer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.