Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Oswaldo freia euforia da torcida palmeirense com Gabriel Jesus

Técnico pede calma com o jovem, fora do clássico diante do Santos

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

07 Março 2015 | 21h50

O técnico Oswaldo de Oliveira vai ficar marcado como o treinador que colocou pela primeira vez em campo como profissional o jovem Gabriel Jesus, no segundo tempo da vitória deste sábado sobre o Bragantino por 1 a 0 no Allianz Parque. Mas o treinador do Palmeiras faz questão de frear a euforia da torcida em cima do garoto de 17 anos, que cansou de fazer gols nas categorias de base. Tanto que ele já confirmou que o atacante não será relacionado para o clássico de quarta-feira, contra o Santos, pelo Campeonato Paulista.

O treinador quer dar um tempo para o menino absorver tudo que está acontecendo e sabe que ele pode render muito no futuro, mas não pode queimar etapas. "Todos vão precisar ter calma. Só vou fazer as coisas na hora que achar correto, mesmo com toda a aclamação. Diferentemente do emocional, o jogador em que ter o lado racional para saber administrar", avisou o comandante, que garante saber como lidar com a situação. "Estou muito bem preparado para isso. Aprendi a administrar a progressão de jogadores. Trabalhei em um clube no Catar e formávamos jogadores. Se tem algo que sei fazer é observar isso."

Os próprios companheiros sabem que é preciso de tempo para lapidar o atleta, pois o profissional é bem diferente da base. "Nós demos os parabéns para ele nos vestiários", afirma o zagueiro Jackson. "Falei para ele que precisa se manter focado, pois ele tem muita qualidade e vai pode ajudar muito a gente", continuou.

Se os jogadores concordam com o treinador que não se deve apressar as coisas, o próprio Oswaldo de Oliveira confirma que o otimismo é grande. "Temos uma expectativa positiva. Ele está cercado de uma euforia, aclamação no estádio mesmo sem produzir algo. Talvez não entenda ainda o que está acontecendo. Temos de ter controle sobre isso. É um garoto centrado e bacana, que reage muito bem a tudo. Ele tem duas características de craque: coragem e humildade", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.