Oswaldo não sabe como motivar Corinthians

Oswaldo de Oliveira não admite (e nem pode), mas não sabe mais o que fazer para motivar seus jogadores. A verdade é a seguinte: jogar, no atual momento, tornou-se um suplício para o grupo, um fardo a ser carregado. O desânimo e a falta de auto-estima são generalizados. Assim, o técnico corintiano resolveu buscar nessas adversidades o ponto a ser explorado na partida de quarta-feira, às 21h45, em Fortaleza, contra o Ferroviário. A partida é válida pela segunda rodada da Copa do Brasil. O discurso é esse: se conseguirem vencer por pelo menos dois gols de diferença, os corintianos eliminam a necessidade da realização do jogo de volta. Aliás, como fizeram na estréia, ao baterem o Botafogo-PB por 2 a 0. Dessa forma, a comissão técnica teria quase um mês para preparar o grupo que vai disputar o Campeonato Brasileiro. Porém, se a partida em São Paulo for inevitável, acontecerá dia 24, no Pacaembu. Oswaldo deve utilizar praticamente a mesma equipe que enfrentou - e perdeu - o jogo diante da Portuguesa Santista, domingo. Fábio Costa, que ficou afastado da última partida, deve voltar ao gol. O meia Rodrigo, que suportou apenas 45 minutos contra o time da Baixada por estar gripado, foi poupado do treino de hoje à tarde, mas deve jogar. O volante Rincón e o zagueiro Valdson também não treinaram. Assim mesmo estarão em condições de atuar. Omissão - Os atletas se recusaram hoje a responder todo tipo de pergunta. A alegação é de que não havia acontecido nada de novo e que merecesse comentário nas horas que separaram a saída do Pacaembu, na noite de domingo, do treino no CT de Itaquera. A viagem para Fortaleza está marcada para amanhã. O time treina na capital cearense à tarde e volta para São Paulo na quinta-feira, quando os atletas devem ser dispensados para descansarem alguns dias. Talvez até domingo.

Agencia Estado,

15 de março de 2004 | 19h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.