Oswaldo pode se garantir em Criciúma

A novela que envolve o técnico do São Paulo, Oswaldo de Oliveira, pode ter capítulos semelhantes à do ano passado e, possivelmente, com o mesmo fim: feliz para o treinador. O time enfrenta o Criciúma, neste domingo, às 16 horas, em Criciúma, e, se vencer, Oswaldo dará um passo importante para se assegurar no cargo até pelo menos o meio do ano, quando seu contrato termina. Com um triunfo, a equipe chegará a 4 pontos, dará um salto na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro e retornará à capital em paz. Afinal, já vem de bom resultado contra o Figueirense (2 a 0), que a deixou praticamente classificada para as quartas-de-final da Copa do Brasil. Na quinta-feira, terá um jogo teoricamente tranqüilo - contra o Fortaleza, no Morumbi -, que pode confirmar a recuperação são-paulina. Em 2002, Oswaldo também balançou e recebeu críticas de conselheiros, exatamente como agora. Após o empate com o Palmeiras - que estava nas últimas posições - por 1 a 1, no Campeonato Brasileiro, o presidente Marcelo Portugal Gouvêa confidenciou a amigos sua preocupação. "Não sei, se tropeçarmos nos próximos dois jogos..." O dirigente chegou a pensar em mudar o comandante, mas, depois da igualdade contra o rival Palmeiras, o time iniciou uma arrancada surpreendente. Venceu o Flamengo, no Maracanã, além de outras nove partidas consecutivas, e terminou como campeão da primeira fase. Assim, mesmo com a derrota para o Santos e a eliminação no Brasileiro, na etapa decisiva, o técnico foi para as férias de fim de ano com a garantia da permanência no emprego. É a mesma arrancada na qual Oswaldo aposta na atual temporada. Ficou satisfeitíssimo com a apresentação diante do Figueirense e com as mudanças na forma de a equipe jogar. Acredita que pode ter encontrado o sistema de jogo ideal para o time, que não está podendo contar com Kaká, machucado, desde a final do Paulista. Os recém-contratados Adriano e Souza foram bem na estréia e, por isso, serão mantidos. Fábio Simplício agradou na lateral-direita.Desde a derrota para o Cruzeiro por 4 a 2, o treinador tem consciência de que vive situação delicada. E as especulações sobre sua saída e os pedidos dos cardeais para que seja demitido voltarão a ocorrer caso o time não consiga bom resultado em Criciúma. Mesmo que Oswaldo se sustente no comando, dirigentes muito próximos a Portugal Gouvêa consideram mínimas as possibilidades de ele se manter após o fim do contrato, em junho. Mas, se o São Paulo ganhar a Copa do Brasil e estiver bem no Brasileiro, como tirá-lo? Por enquanto, nem o presidente sabe o que fazer. Só tem uma certeza: Vanderlei Luxemburgo, nem pensar. E Oswaldo, embora um pouco tenso com a pressão, está longe de mostrar desespero. "Não estou para morrer nem fui condenado a nada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.