Oswaldo quer menor assédio a Kaká

O técnico Oswaldo de Oliveira garante que não mudará de idéia: pretende continuar na luta para diminuir o assédio ao pentacampeão Kaká. Em parte, o treinador já conseguiu seu objetivo. A mídia deixou de fazer o costumeiro cerco ao jovem jogador. Diminuíram os pedidos para matérias especiais. O problema, agora, será domar rebanho de evangélicos. É extraordinário o número de convites que Kaká recebe para dar palestras em igrejas.Kaká freqüenta a Igreja Renascer da avenida Lins de Vasconcelos, na Vila Mariana, na Zona Sul. Mas não é de lá que chegam os pedidos para que o craque participe de cultos e conte suas experiências como campeão do mundo. ?Não é fácil agradar a todos. São muitos os convites para o Kaká visitar igrejas?, lembra Juca Pacheco, assessor de imprensa do São Paulo e encarregado por Oswaldo de Oliveira de selecionar os pedidos que chegam.Pastores das igrejas Assembléia de Deus, Batista e Universal do Reino de Deus, pedem por Kaká em seus cultos. Querem tirar proveito da fama e da imagem de bom moço do meia para multiplicar o rebanho.Oswaldo de Oliveira diz que poucas vezes viu assédio parecido. ?Quando eu era técnico do Corinthians, o Marcelinho Carioca também era muito requisitado. Mas com o Kaká é diferente. O problema é que o assédio tem deixado o jogador perturbado. Já percebi que o rendimento do Kaká nos treinos já não é o mesmo.?O problema, na visão do técnico, é que o cerco a Kaká não é o resultado de suas atuações nos gramados. ?Repito o que eu já disse: o Kaká só jogou 20 minutos na Copa do Mundo (entrou no final da partida com a Costa Rica). Não fez nenhum gol. De onde vem tanta badalação? Esse assédio todo tem outra origem?, afirmou o técnico, alfinetando os religiosos.Oswaldo de Oliveira não disse textualmente, mas acha que a paparicação ao jovem craque só acontece porque o jogador é bonito e, portanto, um prato cheio para vender revistas de moda, aparecer em programas de televisão e colaborar para levar mais adeptos aos cultos evangélicos.Kaká procura encarar a reação do técnico com naturalidade. ?Ele falou que eu não estou tendo tempo para descansar. Só que se aparecer algum convite para um evento que seja legal para eu fazer, vamos conversar. Na época em que o Vadão era o técnico do São Paulo (em 2001) ele também pediu para que eu deixasse de atender a tantos pedidos?, recordou.Enquanto Kaká falava na sala de imprensa, cerca de 50 alunos de uma escolinha de futebol de Itapetininga (SP) esperavam o craque junto à arquibancada do CT da Barra Funda. Aos gritos de ?Kaká, Kaká?, esperavam a passagem do jogador em direção ao vestiário.Souza sai magoado - Nesta quinta, foi o último dia do meia Souza no São Paulo. O jogador, comprado do Corinthians em 98 por US$ 4 milhões, cumpriu o seu contrato e está liberado para arrumar outro clube. ?No aspecto técnico, gosto muito do Souza. O problema é que, por não ser titular, se transforma em um jogador caro para o clube?, disse Oswaldo de Oliveira. O salário do meia é de R$ 80 mil. Souza não esconde que deixa o São Paulo magoado.?Não tive nenhum reconhecimento. Sempre fui profissional, cheguei a jogar até como segundo volante quando o treinador era o Nelsinho. Saí das minhas características para ajudar o elenco e não recebi o tratamento que merecia. A nova diretoria veio falar para reduzir o meu salário. Não aceitei. Posso jogar em grandes equipes. Estou estudando propostas?, disse o meia, que pode ir para o Atlético Paranaense.Sem reforços - Souza foi embora e o São Paulo não se mostra muito interessado em contratar um meia para o seu lugar. Robert, que tem contrato com o Santos e disputa as finais da Copa Libertadores da América pelo São Caetano, foi oferecido ao clube. O diretor de Futebol Carlos Augusto de Barros e Silva confirma o oferecimento do jogador do Santos, mas não está propenso a iniciar a negociação.Depois que o Corinthians se recusou a negociar Ricardinho, ficou um imenso vazio no Morumbi. Os dirigentes são-paulinos se negam a pensar em outro jogador para a posição. ?Nós não queríamos um meia, queríamos o Ricardinho?, avisa Barros e Silva.Neste sábado, o time faz um jogo amistoso com o Toluca, às 15h30, no Morumbi. O lateral-direito Gabriel e o atacante Luís Fabiano, contundidos, não jogam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.