Oswaldo vai trabalhar com a vantagem

Oswaldo de Oliveira admite que terá de trabalhar muito emocionalmente para recuperar o time para a decisão do próximo sábado. Ele sentia que os jogadores do São Paulo ficaram abatidos demais por chegarem a ficar duas vezes atrás do Corinthians no placar e, no final, perder a partida. "Nós conseguimos fazer os gols que precisávamos mas não conseguimos segurar a vantagem do empate. Perdemos gols em horas decisivas e o Corinthians acabou ganhando a partida em função dos nossos erros. Tomamos gol até de bola parada que havíamos treinado muito. Vou ter de trabalhar o lado emocional e recuperar o time para a decisão. Não vamos desanimar. Pelo contrário: se faltou empenho neste primeiro jogo, no segundo vai sobrar", alfinetava. "E tem mais: vou trabalhar o time baseado nas declarações do presidente da FPF, Eduardo José Farah. A vantagem é do São Paulo. Basta vencer por 1 a 0 que o título será nosso."Oswaldo ficou irritado ao ter de explicar várias vezes as escalações de Júlio Baptista e Kaká. "O Júlio entrou para dar equilíbrio ao setor direito. Não é porque foi driblado algumas vezes pelo Gil é que não deu certo a sua entrada. Vai faltar papel para escrever os nomes dos jogadores que já foram driblados pelo Gil. O Júlio acabou se revezando com o Fábio Simplício no meio de campo e teve uma boa participação. Já o Kaká jogou porque não havia impedimento médico. Mesmo longe de suas melhores condições físicas conseguiu atrair o Fabinho para as laterais e diminuir a proteção à entrada da área corintiana. Fez o que pôde." Não bastasse o São Paulo arriscar colocar Kaká em campo contundido neste domingo, o clube irá expor novamente o meia nesta sgunda-feira. Ele irá para Brasília para se encontrar com o presidente Lula e entregar a camisa que usou contra o Santos nas semifinais do Paulista para ser leiloada.O dinheiro será entregue para a Fome Zero. A diretoria não abre mão de levá-lo para agradar o presidente. Completamente abatido, ele teve de explicar o porquê de haver jogado com dores neste domingo. "Estou sentindo essa lesão desde o São Raimundo em Manaus. Sinto dores mesmo. Fica pela minha cabeça o medo de estourar de vez e me prejudicar no futuro. Eu conversei com o Oswaldo de Oliveira antes da partida contra o Corinthians. Fui questionado, fiz o teste e pude jogar. Não houve pressão para que eu jogasse. Os profissionais do São Paulo não podem ser culpados de nada. Eu tentei."Kaká já está fora da primeira partida do São Paulo contra o Gama na quarta-feira. "Vou ficar cinco dias fazendo tratamento intensivo para poder enfrentar novamente o Corinthians no sábado. ´Eles´ que não comemorem nada. Tem ainda o próximo jogo. Os corintianos ainda não ganharam o título. Só está 1 a 0 para ´eles´", afirmava, raivoso.O médico José Sanches foi imprensado pelos jornalistas após a partidas. Acuado, ele tentava explicar porque liberou a escalação de Kaká. "Olha, a escalação dele foi confirmada depois que fizemos testes. Não havia risco nenhum. O Kaká podia atuar com a contratura. Agora ele continuará fazendo tratamento e vai enfrentar o Corinthians novamente. Não tenho a menor dúvida disso", antecipava Sanches.Triste também estava Reinaldo. Depois de haver marcado o seu primeiro gol no ano ele não podia comemorar. "Eu tinha prometido para a minha mãe, dona Francisca, esse gol. A trouxe do Rio de Janeiro para me dar mais força psicológica. Pena que não adiantou nada."A equipe perdeu Maldonado e Gustavo Nery para a decisão de sábado. Os dois receberam o terceiro cartão amarelo. Júlio Santos deverá entrar na zaga, Leonardo voltará à lateral direita e Júlio Baptista atuará na sua real posição: volante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.