Oswaldo volta a caminhar na corda bamba

O ambiente está carregado entre os jogadores do São Paulo, que chegam à Capital nesta segunda-feira pela manhã após a humilhante goleada por 5 a 2, neste domingo à noite, em Belém, diante do Paysandu. O time continua com oito pontos e terminou a sexta rodada no oitavo lugar na tabela do Campeonato Brasileiro. Só para variar, o técnico Oswaldo de Oliveira deve se tornar alvo de mais pressão por parte de dirigentes e torcedores durante a semana. E a chance de recuperação esbarra em uma curiosidade. O time do Morumbi vai enfrentar duas vezes seguidas o Figueirense, de Santa Catarina. Na quinta-feira, faz a partida de volta pela Copa do Brasil, no Morumbi. No primeiro jogo, os são-paulinos venceram por 2 a 0. Já no domingo, novamente em seu estádio, o jogo é válido pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. A tensão ficou evidente na reação dos jogadores paulistas ao deixarem o gramado neste domingo. Transtornados pelo resultado, saíram irritadíssimos e a conversa no vestiário atrasou a saída do estádio Mangueirão. O meia Ricardinho ainda tentava minimizar o problema. ?O resultado não chegou a ser uma surpresa. A surpresa mesmo foi o resultado elástico?, afirmou. ?Agora precisamos assimilar a derrota e nos prepararmos para os dois próximos jogos. Precisamos consolidar nossa classificação na Copa do Brasil.? Já Oswaldo justificou a derrota ao apontar o mal posicionamento de sua defesa. ?Tivemos duas oportunidades, mas isso acabou comprometendo nossa atuação?, explicou. Dario Pereyra, por sua vez, apontou o terceiro gol de sua equipe como decisivo. ?A partir dali o São Paulo ficou desajustado no campo.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.