Reuters
Reuters

Özil faz desabafo após não ser inscrito pelo Arsenal no Campeonato Inglês

Jogador não deve mais atuar pelo clube londrino, mas segue com o maior salário do elenco

Redação, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2020 | 19h19

O meia alemão Mesut Özil usou as redes sociais para demonstrar decepção, após ficar fora da lista de atletas que o Arsenal inscreveu para a disputa do Campeonato Inglês 2020-21. Maior salário do elenco, o jogador também já havia ficado de fora da lista do clube para a Liga Europa.

Özil tem contrato com o Arsenal até junho de 2021, mas não deve mais atuar com a camisa do clube e, na melhor das hipóteses, será negociado na próxima janela de transferências, de forma que ele possa continuar a carreira em outro time e a equipe londrina não o perca de graça. Confira a carta completa de Özil no final desta matéria.

Durante a pandemia de coronavírus, Özil foi um dos jogadores que se recusou a aceitar uma redução salarial para ajudar nas finanças do clube. O meia recebe 350 mil euros (R$ 2,3 milhões) por semana. Recentemente, o atleta se ofereceu para pagar o salário do funcionário que fazia o mascote do clube, o Gunnersaurus, há 27 anos, que havia sido demitido ao lado de outros funcionários.

Além do Campeonato Inglês e a Liga Europa, o Arsenal disputa a Copa da Liga Inglesa. O regulamento deste campeonato, porém, tem restrições para inscrever jogadores. Fora do Campeonato Inglês e não sendo parte do time sub-21 do clube, o alemão não se enquadraria nas regras da Copa.

A CARTA DE ÖZIL

“Esta é uma mensagem difícil de escrever aos fãs do Arsenal pelos quais joguei nos últimos anos. Estou profundamente decepcionado com o fato de não ter sido inscrito para a temporada da Premier League. Ao assinar meu contrato em 2018, prometi minha lealdade ao clube que amo, o Arsenal, e me entristece que isso não tenha sido correspondido. Como acabei de descobrir, é difícil conseguir lealdade hoje em dia. Sempre tentei manter a certeza, semana após semana, de que talvez haja uma chance de voltar ao time em breve. É por isso que fiquei em silêncio até agora.

Antes da pausa para pandemia, estava muito feliz com o desenvolvimento do nosso novo técnico Mikel Arteta – tivemos uma relação positiva e eu diria que minhas performances foram muito boas. Mas então as coisas mudaram, de novo, e eu não consegui mais jogar pelo Arsenal.

O que mais eu posso dizer? Ainda me sinto em casa em Londres, ainda tenho muitos bons amigos nesta equipe, e ainda sinto uma forte conexão com a torcida deste clube. Não importa o que aconteça, vou continuar lutando pela minha chance e não vou deixar minha oitava temporada no Arsenal terminar assim. Posso prometer a você que esta decisão não mudará nada em minha mentalidade - vou continuar a treinar da melhor maneira que puder e sempre que possível usar minha voz contra a desumanidade e pela justiça”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.