Pacaembu terá um Museu do Futebol

A Prefeitura de São Paulo, em parceria com a Fundação Roberto Marinho, planeja criar um Museu do Futebol no estádio do Pacaembu. O projeto já foi entregue para aprovação na lei Rouanet de incentivo cultural e está sendo examinado pelo Condephaat, pois o estádio é tombado pelo patrimônio histórico. Nesta quarta-feira, num auditório do Anhembi, com presença do secretário municipal de Esportes, Heraldo Correa Galvão, foi realizado encontro com a imprensa especializada, o qual fez parte de uma série de "workshops" que já reuniu antropólogos e museólogos e ainda pretende reunir jogadores e técnicos. O arquiteto Mauro Muñoz fez uma apresentação em slides com simulações de como seria o museu, que deve ocupar os quatro andares do prédio frontal do estádio, onde hoje funcionam salas administrativas e se encontram dormitórios e outros cômodos inutilizados. Por se tratar de uma adaptação do prédio, que não pode mexer nas características e colunas da construção, limitando-se a derrubar ou transportar paredes, a Prefeitura entende que um concurso público não é necessário. A expectativa é que as obras, que demorariam cerca de 30 meses e custariam pelo menos R$ 25 milhões (dos quais R$ 5 milhões da Prefeitura), comecem em 2006. O debate desta quarta foi sobre o perfil do acervo e das atividades do museu. A intenção da Prefeitura e da Fundação Roberto Marinho é que a coleção permanente - que seria formada de peças como chuteiras, bandeiras, objetos e camisas, fotos, livros, material de imprensa, depoimentos gravados de jogadores, obras de arte, etc. - diga respeito ao futebol brasileiro em geral, mas em especial aos clubes paulistas. O projeto prevê um auditório para filmes, espetáculos e palestras, além de lojas e de espaços para exposições temporárias e encontros com craques do passado e do presente. Poderia incluir ainda um passeio pelo estádio, com visita aos vestiários e ao gramado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.