Pacaembu vazio na despedida do Corinthians

Na última partida que fez em São Paulo na temporada, o Corinthians atuou para um Pacaembu praticamente vazio. Sobrou lugar até mesmo no espaço tradicionalmente ocupado pela Gaviões da Fiel na arquibancada. Diante do quadro, os dois treinadores tentaram mostrar aos jogadores que a partida seria importante na luta por uma vaga para a Copa Sul-Americana de 2004. Mas os gritos tímidos dos corintianos na recepção ao time retrataram o desânimo pela péssima campanha do time no Brasileiro. Antes de o jogo começar, os torcedores voltaram a manifestar indignação com Vampeta, que ao longo do ano abandonou o clube descontente com o atraso no pagamento do direito de imagem e ironizou a importância do título paulista de 1977 ganho pelo clube. "O Vampeta, presta atenção, mais respeito com a camisa do Timão." O técnico Juninho Fonseca, do Corinthians, lamentou a pequena presença de público. Mas tentou motivar seus atletas. "Temos que trabalhar sempre com a mesma força de vontade, independentemente da importância do jogo. Procurar demonstrar alegria com a bola. É em um momento como este que temos que mostrar que somos os melhores. O profissionalismo jamais deve ser colocado em segundo plano." Juninho contou o que fez para motivar o grupo. "Passei para os jogadores, especialmente os mais jovens, que sempre tem alguém nos observando. Quem sabe não pinta uma proposta interessante do exterior para alguém?" O técnico Saulo, do Paraná, tinha a mesma opinião de Juninho. "O time está preparado para jogar, seja com campo cheio ou vazio. Não podemos nos desmotivar porque a vaga para a Sul-Americana está próxima."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.