Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Pachuca goleia o Al Jazira e fica com o terceiro lugar do Mundial de Clubes

Mexicanos vencem disputa contra equipe de Romarinho após derrota para o Grêmio na semifinal

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

16 de dezembro de 2017 | 13h58

O Pachuca ficou com a terceira colocação do Mundial de Clubes de 2017. Derrotado pelo Grêmio na semifinal, o time mexicano se recuperou e deixará Abu Dabi com este prêmio de consolação depois de golear os anfitriões do Al Jazira neste sábado, por 4 a 1. Trata-se de seu melhor resultado na competição, na quarta participação.

+ Time de 'refugos', Grêmio desafia o poderio do Real Madrid na final

Autor de dois gols neste Mundial, sendo um diante do Real Madrid, Romarinho desta vez passou em branco. Bem marcado, ele teve poucas oportunidades, mas foi o responsável pela jogada do único gol do Al Jazira, marcado por Alrezzi. Urretaviscaya, Franco Jara, De La Rosa e Sagal marcaram para o Pachuca.

O Al Jazira foi o primeiro a tentar ganhar o campo de ataque neste sábado, mas rapidamente o Pachuca tomou o domínio da partida e passou a desperdiçar oportunidades. Aos 15 minutos, Fayez tocou contra o próprio gol após falta da esquerda e acertou a trave. A sobra ficou com Murillo, que tentou de peixinho, mas a bola quicou e encobriu o gol.

A defesa do Al Jazira não conseguia parar os avanços mexicanos pelas laterais e sofria com a própria falta de qualidade quando tinha a bola no pé. O Pachuca aproveitou e quase marcou aos 29, quando Sagal recebeu pela direita, fez bela jogada ao passar por dois marcadores e bateu cruzado, rente à trave.

De tanto insistir, o time mexicano abriu o placar aos 36. Khalfan errou feio ao tentar afastar no meio de campo, Jara ficou com a sobra e deu boa enfiada para Urretaviscaya. O uruguaio ganhou de Juma na corrida e tocou com o lado de fora do pé para vencer o goleiro.

Ainda houve tempo para Sagal, de cabeça, quase marcar o segundo aos 40 minutos, mas novamente ele errou a pontaria por pouco. O segundo tempo começou com o mesmo cenário, e o Pachuca demorou apenas sete minutos para assustar com Sánchez, que recebeu cruzamento da direita, dominou, mas foi atrapalhado na hora da finalização.

Romarinho era bem marcado e pouco aparecia em campo, mas bastou um lance do brasileiro para o Al Jazira chegar ao empate. Aos 11 minutos, o atacante recebeu pela esquerda, passou por dois jogadores e parou no goleiro. Boussoufa pegou o rebote e a zaga afastou em cima da linha. Mas Alrezzi, na terceira tentativa, marcou.

Mas não deu nem tempo para comemorar, porque a defesa do Al Jazira voltaria a falhar apenas três minutos depois. Sagal aproveitou cochilo dos zagueiros e arrancou completamente livre pela esquerda. Ele não foi fominha e tocou no meio para Jara, que chegou sozinho para marcar o segundo.

O gol fez o Al Jazira desabar e o Pachuca teve ainda mais facilidade para atacar. Aos 33, marcou pela terceira vez. De La Rosa, que havia acabado de entrar, recebeu enfiada precisa de Sánchez, arrancou sozinho e finalizou na saída do goleiro. E ainda houve tempo para o time mexicano chegar à goleada cinco minutos depois. Rashid calçou Sánchez na área e o árbitro marcou pênalti, que Sagal cobrou com categoria para selar o placar.

FICHA TÉCNICA

AL JAZIRA 1 X 4 PACHUCA

AL JAZIRA - Al Senaani; Musallem Fayez, Khalfan, Fares Juma e Salim Rashid; Mohamad Al Attas (Salim Ali), Yaqoub Al Hosani (Ramadan), Alrezzi (Rabia) e Boussoufa; Romarinho e Ali Mabkhout. Técnico: Henk Ten Cate.

PACHUCA - Alfonso Blanco; Raúl López, Omar González, Murillo e Emmanuel García; Jorge Hernández (Pablo López), Aguirre, Urretaviscaya (Figueroa) e Erick Sánchez; Franco Jara (De La Rosa) e Angelo Sagal. Técnico: Diego Alonso.

GOLS - Urretaviscaya, aos 36 minutos do primeiro tempo. Alrezzi, aos 11, Franco Jara, aos 14, De La Rosa, aos 33, e Sagal, aos 38 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Malang Diedhiou (Fifa/Senegal).

CARTÕES AMARELOS - Boussoufa, Fares Juma (Al Jazira); Franco Jara (Pachuca).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Zayed Sports City, em Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.