Paciência será a arma do São Paulo

Luís Fabiano entrará logo mais à noite em campo com a gripe que resiste desde sábado e com uma certeza que o acompanha desde domingo: o São Paulo fará um gol antes dos 15 minutos do jogo de hoje, contra o Rosario Central, às 21h45 no Morumbi, pela Libertadores.Caso a previsão do artilheiro se confirme, metade do trabalho estará feito. Como perdeu por 1 a 0 em Rosário na semana passada, o São Paulo precisa vencer por dois gols de diferença para classificar-se às quartas de final da competição.Se a previsão de Luís Fabiano mostrar-se falha, a ordem é não se desesperar. Ele mesmo explica. ?Os gols podem sair nos primeiros 15 minutos, mas podem sair também nos últimos cinco minutos. Não podemos entrar em desespero?, afirma o atacante.?O jogo tem pelo menos 95 minutos e temos de jogar sabendo disso. Atacando, mas com cuidado. Temos de engolir sapos e não entrar em provocações. Se a gente reunir equilíbrio emocional, técnica e vontade de vencer, fica mais fácil jogar?, define Cuca, que tem dúvidas para o jogo.Duas delas são de ordem médica. Rogério Ceni tem amidalite e Gustavo Nery saiu do jogo contra o Coritiba, domingo, com muitas dores na batata da perna direita. ?A situação dos dois é preocupante?, diz Cuca. ?Tenho certeza de que os dois jogarão desde o início?, discorda o médico e supervisor Marco Aurélio Cunha. Os dois não participaram do treino de ontem.A outra dúvida Cuca ?planta? para ter alguma surpresa contra Miguel Russo, técnico do Rosario. ?Eu já sei quem vai jogar, entre Vélber e Grafite, mas não vou dizer. Deixa ele pensar um pouco no assunto?.A diferença entre os dois é grande. Vélber é frágil, joga pelo meio e tem bom toque de bola. Grafite briga com a bola e é forte, com boa cabeçada. ?O adversário vai jogar com três zagueiros e isso é que definiu minha opção?, afirma Cuca.Luís Fabiano diz que não vê muita diferença na escalação de um ou de outro. ?De um modo ou de outro, a bola é bem tratada e chega para mim. Além disso, o campo do Morumbi é muito maior do que o deles. É muito difícil se defender aqui como eles fizeram lá.?O Morumbi é mesmo o palco preferido de Luís Fabiano. ?Não sei bem o motivo. Só sei que a torcida é nossa e dá tranqüilidade para o time. O passe sai melhor, a bola chega mais vezes para mim. Fico com mais confiança e chuto mais a gol. Fica tudo mais fácil. Tomara que hoje seja assim?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.