Pacto da imprensa para ajudar seleção

Se a torcida gaúcha vai mesmo ajudar Luiz Felipe Scolari, empurrando a Seleção Brasileira para uma vitória sobre o Paraguai, não há certeza. Mas a imprensa do Rio Grande do Sul tem se esforçado para ajudar. Um pacto entre os órgãos de imprensa de Porto Alegreadministrado pela Aceg - Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos - no sentido de valorizar a partida e de evitar que aSeleção de Felipão seja execrada pela própria torcida brasileira. "Não faltará apoio à Seleção Brasileira aqui em Porto Alegre",era o comentário geral dos jornalistas que estavam na sede da Associação hoje à tarde, onde boa parte das credenciais estásendo distribuída para a imprensa. Os cambistas também apostam numa noite de grande movimento e lucros polpudos. Dos 49 mil ingressos colocados à venda,não sobrou nenhum. Para o torcedor comum, no entanto, também será impossível conseguir ingresso ao preço de tabela: R$ 20,00 por umaarquibancada; R$ 40,00 por uma cadeira lateral; e R$. 50,00 por uma cadeira central. Hoje, já se vendia as entradas com umágio entre 100% e 150%, dependendo da localização no estádio. Animados com a procura, alguns cambistas até evitavamnegociar os ingressos com uma certa antecedência. "Na hora do jogo vai bater o desespero no torcedor e o preço vai subir",imagina um deles, que circulava pelo centro da cidade hoje à noite. Já entre os torcedores paraguaios, pelo menos hoje o movimento não foi dos maiores. No treino secreto de hoje, noBeira-Rio, havia apenas um grupo de 15 torcedores devidamente autorizados pela segurança paraguaia nas arquibancadas. Mas aboa fase do time nas eliminatórias da Copa do Mundo e o feriado quarta-feira no Paraguai devem estimular o torcedor paraguaio acomparecer ao estádio Olímpico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.