José Patrício/AE - 5/2/2010
José Patrício/AE - 5/2/2010

Pai de Neymar acata punição do Santos e pede paz para o atacante

Episódio com o técnico Dorival Júnior e as críticas servem como aprendizado para o seu filho

AE, Agência Estado

18 de setembro de 2010 | 15h39

SANTOS - Neymar da Silva Santos, pai do atacante Neymar, disse neste sábado que não há o que questionar na punição imposta ao seu filho pelo Santos, que o afastou do jogo contra o Guarani, neste domingo, por indisciplina. Ele, no entanto, fez um apelo para que o garoto tenha um pouco de paz.

Veja também:

blog ANTERO GRECO - Neymar, caso delicado. Mas que tem jeito

link Santos atende ao pedido de Dorival Júnior e afasta Neymar do time

Depois de brigar com Dorival Júnior e alguns companheiros durante o jogo contra o Atlético-GO, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, Neymar foi multado pela diretoria do Santos. Mas o treinador pediu punição mais rigorosa, o que fez o atacante ser afastado do time neste sábado.

"O Neymar tem contrato a cumprir. Mandaram ele fazer isso [ficar fora do jogo]. Ele desacatou [a Dorival Júnior]. Não temos nada o que falar, só queremos ficar em paz. Só estou pedindo, pelo amor de Deus, deixem o Neymar em paz", pediu o pai do jogador, em entrevista à rádio Eldorado/ESPN.

O pai do garoto evitou críticas a Dorival Júnior, que exigiu uma punição mais rigorosa ao atacante de apenas 18 anos. "Ele é o comandante do Santos e a gente tem que respeitar o posicionamento dele", disse Neymar. "Ele (Neymar) fica do lado fora, esperando oportunidade para fazer o que ama."

Segundo Neymar, o episódio serve como aprendizado para o seu filho. "Pintaram o Neymar como um monstro. Quem conhece ele sabe que não é verdade. É hipocrisia as pessoas pensarem desta forma, mas isso foi criado e ele permitiu a situação chegar dessa forma", afirmou.

"O Neymar tem 18 anos e tem tudo para modificar", contou o pai do jogador, lembrando que ele não tem previsão de retorno ao time - o caso será reavaliado pela diretoria e pelo treinador do Santos na segunda-feira. "Agora chega, deixa ele tocar a vida dele, deixa ele ser normal um pouco."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.