Pai de Neymar faz duras críticas ao Santos, ao presidente Luis Alvaro e à DIS

Empresário diz que o fundo de investimento ganhou 295% do dinheiro investido no jogador de 22 anos

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2014 | 20h51

SÃO PAULO - Neymar da Silva Santos, pai do craque do Barcelona, esperou o filho se recuperar de lesão no tornozelo direito e voltar a jogar para publicar uma carta em tom de desabafo no site do jogador. No texto, o empresário chama de "equívocos e maldades" as notícias divulgados nos últimos meses sobre a transferência de Neymar para o Barcelona e faz duras críticas ao Santos e à DIS.

A carta entitulada "Ilusão de Ética - O desabafo dos Neymares" é publicada momentos antes de o próprio Neymar se mostrar, por meio do seu Instagram, indignação com o presidente do Santos, Luis Alvaro. Neymar chega a usar expressões duras e baixas, o que não é o seu comum.

Investigado pelo Ministério Público Federal, Neymar pai também garante não ter dívidas com o fisco. O empresário, inclusive, publicou uma série de documentos na tentativa de provar que não há irregularidades na venda de Neymar para o Barcelona nem no pagamentos de impostos de suas empresas.

"Todo o dinheiro que as minhas empresas faturam vem para o Brasil, mesmo sendo contratos com empresas sediadas no exterior. Tudo é recebido no Brasil e obviamente todos os seus impostos recolhidos aqui", garante o empresário. Sobre a tentativa do Santos de obter na Justiça da Espanha os contratos firmados entre ele e o Barcelona, o pai do jogador diz, por exemplo, que o clube "ataca o nosso Poder Judiciário, que por não lhes convir, será desprestigiado."

Neymar da Silva Santos comenta também não aceitar que o Instituto Neymar Jr. seja acusado de lavagem de dinheiro, como está sendo. "Não posso admitir esse tipo de comentário." Ele lembra que o presidente licenciado do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, fazia parte do Conselho Fiscal do projeto.

O empresário também se defende das críticas de que teria recebido dinheiro do Barcelona enquanto o filho ainda defendia o Santos. Ele reitera que teve autorização do próprio Santos e que não há imoralidade no negócio. "Se você diz que pode e, além de dizer que pode assina um documento que deixa seu filho sair livre em 2014 com 22 anos, o que tenho de fazer? Tenho de preparar o solo para quando isso acontecer, com muito trabalho, negociando o futuro para quando ele chegar. O que queriam que eu fizesse? Cruzasse os braços?", escreve Neymar pai.

DIS

Em relação à DIS, o empresário também é duro nas críticas. Afirma, por exemplo, que o fundo de investimentos não tem do que reclamar, pois ganhou muito dinheiro com seu filho. "A DIS investiu R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) em onze parcelas consecutivas de R$ 450.000,00 começando em abril de 2009 e somente terminaram o débito em 2010. Receberam em contraprestação R$ 19.774.251,22 em julho de 2013 (295% de lucro no período ou 73% ao ano)."

Ainda segundo o pai de Neymar, a DIS nunca investiu no seu filho. “Quem investiu no Neymar foi o Santos através do então presidente Marcelo Teixeira e do Seo Zito que em 2006 (quando Neymar ganhou seu primeiro milhão)”.

De acordo com o empresário, o Santos ofereceu à DIS em 2011  R$ 10 milhões e depois subiu a oferta  para R$ 12 milhões para que fosse o único dono do jogador. Naquele momento, ele e o empresário Wagner Ribeiro foram os interlocutores da negociação. “Foi a última vez que tive contato com a DIS. Sou estabelecido na cidade de Santos e tenho minhas empresas sediadas no mesmo município e nunca recebemos a visita ou telefonemas de quem quer que seja desse grupo”, ataca.

Por fim, ele voltou a criticar a diretoria do Santos. “Bater no peito e dizer que segurou o Neymar é esconder os fatos. O Neymar Jr foi o maior responsável por permanecer no clube todos esses anos, pois o Santos teve por diversas vezes a multa coberta por outras equipes.”

Tudo o que sabemos sobre:
futebolneymarsantosfcfc barcelona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.