Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Pai de Rodrygo pendura chuteiras para cuidar do filho e mantém contato com o Real

Eric Goes, de 33 anos, passou por clubes como Rio Claro, Oeste, Paulista, Linense e Guarani

João Prata, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2018 | 05h00

Eric Goes, 34 anos, pendurou as chuteiras no início da temporada para cuidar da carreira do filho Rodrygo, mais jovem revelação do Santos e negociado em junho com o Real Madrid por 50 milhões de euros (cerca de R$ 217 milhões). 

+ Rodrygo exalta 'improviso' em jogada do gol de empate do Santos

+ Sem Jair, Santos busca empate e Flamengo pode perder liderança do Brasileirão

Como lateral-direito, Eric passou por clubes do interior paulista como Rio Claro, Oeste, Paulista, Linense, Guarani, entre outros. Também defendeu o Criciúma e se aposentou dos gramados no Cuiabá. Agora, ajuda o filho de 17 anos, que se apresentará ao time espanhol somente em junho de 2019, ano em que atingirá a maioridade.

Rodrygo tem como empresário Nick Arcuri, que vive em Milão, na Itália, e comanda a Un1que Football, que tem também sede em Barueri (SP). Eric é quem toca as coisas em Santos e vive colado no jogador que é a principal vitrine da empresa no momento.

"Na verdade faço esse trabalho desde que o Rodrygo tem nove anos. Minha esposa acompanhou desde sempre, porque eu ainda jogava. Mas fico auxiliando para que ele tenha uma trajetória bonita como tem sido", afirmou. 

Eric se mostrou preocupado em fazer do filho uma referência para os novos meninos que vão surgir para o futebol. "Queremos que ele deixe um legado legal para os jovens, de estudo, de seriedade. E ele tem sempre se mostrado um garoto centrado", prosseguiu.

A decisão de encerrar a carreira veio junto com a demanda do filho, que passou a ter sua agenda cheia também fora dos gramados. Eric foi convidado a trabalhar na empresa de Arcuri. Mas é um trabalho e ao mesmo tempo não é. "Fora o jogo tem essa área de marketing. Da agenda, dos horários. Ser motorista, conselheiro, amigo e pai. Além de tudo sou o parceiro para todas as horas", disse.

Ao ser questionado se a atividade profissional não acabava afetando a pessoal, Eric falou: "Não vejo o Rodrygo como atleta. Para mim é o Rodrygo filho. É o meu menino que está ali. Não vejo como jogador do Santos ou do Real Madrid. Temos uma relação normal de pai e filho".

Por isso, vão todos juntos morar em Madri a partir de junho de 2019. Eric contou que ao final do Campeonato Brasileiro deste ano viajará à cidade espanhola para procurar um local para morarem. Vai junto também a esposa e a filha de cinco meses. Mas sem pressa. Segundo ele, o Real Madrid tem sido bastante atencioso.

"A única coisa que nos pediram é para ter calma. As coisas acontecem de maneira natural. Ele (Rodrygo) é uma criança, está se formando fisicamente. O Marcelo e o Varane foram formados lá e são grandes jogadores hoje. Com ele não vai ser diferente", disse. "Só que não adianta ficar pensando no Real Madrid e não render aqui em Santos. Hoje o pensamento está aqui em Santos e é isso que estamos fazendo", finalizou.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolRodrygoSantos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.