Pai quer Juninho Paulista no Palmeiras

Poucos jogadores estão tão ligados profissionalmente ao pai quanto Juninho Paulista. Mesmo aos 32 anos e pai de três filhos, o pentacampeão do mundo consulta sempre Oswaldo Giroldo sobre o que fazer em relação ao futuro. Foram os dois que decidiram trilhar o longo caminho que passou por Ituano, São Paulo Middlesbrough, Atlético de Madrid e Celtic. Depois de nove anos na Europa, os dois decidiram que chegou a hora de voltar ao Brasil. Candinho já conversou com Juninho e disse que o Palmeiras está precisando do seu futebol. Conselheiros garantem até que acertou seu salário.Descontente no Celtic (Escócia), já pediu a rescisão do contrato. Acontece que ele havia recebido luvas até julho de 2006. A discussão deve ter um final feliz para o Palmeiras a qualquer momento, já que o clube está disposto a desembolsar R$ 1,3 milhão para o Celtic.Agência Estado ? O Juninho vem ou não vem para o Palmeiras?Ele está acertando a saída do Celtic. Há alguns detalhes financeiros que atrapalham um pouco. É questão de tempo, ele não ficará lá de jeito nenhum. Vem para o Brasil e o Palmeiras já mostrou interesse na contratação.AE - Por que ele não está jogando no Celtic?Porque na Europa só há lugar para jogadores truculentos. Há força física, correria, pancadas. Atletas habilidosos como o meu filho ficaram sem espaço. Ainda mais na Escócia, onde o futebol é só força. Não houve problema entre o Juninho e a Comissão Técnica do Celtic. Foi uma questão de filosofia. O estilo dele não combina com esse tipo de futebol.AE - Não houve briga com o técnico Martin O?Neill?Não. A relação entre os dois é muito boa. O Juninho nunca foi atleta de brigar por posição. Muito pelo contrário, ele sabe que quem comanda o time é o treinador. Não há briga, tanto que o Juninho tem ficado no banco de reservas sem criar problema.AE - Comenta-se que o Palmeiras não está sozinho na briga pelo Juninho (Vasco e Internacional seriam os outros interessados).É verdade. Ele tem algumas outras propostas, todas são de clubes brasileiros. O Palmeiras está insistindo, fazendo tudo para contratá-lo. Só que não está nada fechado. Já houve contatos, não vou negar, mas repito: não há nada fechado.AE - Até onde o fato de o senhor ser palmeirense vai pesar na decisão?Não escondo que sou muito palmeirense. Seria ideal que tudo desse certo. O Juninho atuaria pelo meu clube e eu veria o time reforçado. Sinceramente, estou torcendo para isso. Sei que nem deveria tomar essa postura, já que sou o procurador do Juninho. Só que não vou esconder nunca a minha vontade de que ele jogue pelo Palmeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.