Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Países da América do Sul vacinam atletas com doses doadas pela Conmebol; Brasil ainda não autorizou

Por enquanto, o único time do País que recebeu a primeira dose é o Atlético Goianiense, que aproveitou viagem ao Paraguai para imunizar delegação

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2021 | 10h00

Enquanto no Brasil ainda não há autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o recebimento das doses da vacina contra a covid-19 doadas pela China para a Conmebol, países como Paraguai e Uruguai já começaram a imunizar seus jogadores desde a semana passada. Por enquanto, o único time brasileiro vacinado é o Atlético Goianiense - os atletas receberam a primeira dose na última quinta-feira, em Assunção, quando enfrentaram o Libertad na capital paraguaia pela Copa Sul-Americana.

A Conmebol recebeu da farmacêutica chinesa Sinovac um lote de 50 mil vacinas e, além de enviar doses para os países do continente, montou um posto de imunização em sua sede no Paraguai. Lá, já foram vacinadas as delegações de times que viajaram ao Paraguai para disputar jogos da Libertadores e da Sul-Americana, casos do Atlético Nacional, Independiente Santa Fé e La Equidad (todos da Colômbia), além de árbitros e assistentes e o Atlético Goianiense. De acordo com a Conmebol, essas doses serão descontadas das cotas correspondentes de cada país.

Para os clubes que tomaram a vacina durante a estadia no Paraguai ainda não está definido quando e onde vai receber a segunda dose. Essa questão logística ainda será definida pela Conmebol.

A Federação Uruguaia de Futebol iniciou o processo de vacinação de seus atletas no lendário estádio Centenário, em Montevidéu. No Paraguai, o processo de imunização está avançado. A federação local montou um posto de vacinação e os primeiros a receber as vacinas foram os jogadores do Sportivo Luqueño, seguidos por Cerro Porteño e Guarani. Integrantes da seleção paraguaia também foram vacinados e, no último sábado, começaram a ser aplicadas as primeiras doses para os times de futebol feminino.

A previsão é de que todos os jogadores que participarão da Copa América, que será disputada na Argentina e na Colômbia entre 13 de junho e 10 de julho, também sejam vacinados. “Teremos uma Copa América mais segura, sempre cumprindo os protocolos de saúde”, afirmou o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez. Por isso, a meta da entidade é aplicar as duas doses da vacina antes do início do torneio.

A vacinação de atletas, no entanto, não é unânime. O presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, disse que o clube foi sondado extra-oficialmente pela Conmebol, mas que recusaria a imunização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.