Palaia garante: Marcos não sai

O diretor de futebol do Palmeiras, Salvador Hugo Palaia, diz que ?Marcos vai ficar no clube?. O dirigente acha que o empresário israelense Pini Zahavi, interessado em encaixar o goleiro no Porto, não irá chegar aos US$ 5 milhões livres (quase R$ 12 milhões) pedidos pelo Palmeiras para ?começar a conversar? sobre a liberação de Marcos. A proposta inicial de Zahavi, que é amigo de Kia Joorabchian, da MSI, foi de US$ 2 milhões, valor considerado ?irrisório? por Palaia. Zahavi teria aumentado a oferta para US$ 3 milhões, valor não confirmado pelo dirigente palmeirense. ?Para mim, não chegou nada disso?, diz Palaia.Como no contrato de Marcos há uma cláusula que lhe dá 20% sobre qualquer transferência, a proposta para tirá-lo do Palmeiras teria de ser superior a US$ 6 milhões, para que ficassem assim US$ 5 milhões ?livres? para o clube ? haveria ainda encargos com impostos. Na proposta enviada ao Palmeiras, Zahavi não especifica o Porto ou qualquer outro clube como destino de Marcos. Quem revelou que o goleiro poderia ir para o clube português foi a advogada Gislaine Nunes, representante legal de Marcos. A reportagem da Agência Estado tentou entrar em contato com ela durante toda a tarde desta segunda-feira, mas parou em seus assessores.A ausência do nome de um clube no documento enviado por Zahavi e a ligação dele com Kia Joorabchian despertaram suspeitas de que se estivesse sendo criada uma ponte entre Marcos e o maior rival do Palmeiras, o Corinthians. Palaia chegou a ligar para seu colega corintiano, Andrés Sanchez, para saber se o Timão tinha algo a ver com a oferta de Zahavi. ?Conversei com o Andrés para saber se eles tinham mesmo interesse. As coisas devem ser mais transparentes?, disse Palaia.Marcos não poderia defender o Corinthians este ano, porque já fez mais do que seis partidas pelo Palmeiras no Brasileirão (foram oito como titular e uma como reserva).Salvador Palaia, porém, não vê nada de anormal numa eventual (mas pouco provável) transferência de Marcos para o rival no futuro. ?O Leão começou a jogar no Palmeiras, foi para o Corinthians e depois voltou para o Palmeiras. Não teve nada de errado nisso.? Palaia ainda citou como exemplo o atacante Gil, que recentemente trocou o Corinthians pelo Verdy Tokio, do Japão: ?Quem pode garantir que o Gil não seja atacante do Palmeiras no ano que vem??O namoro com Gil é antigo. Antes de o jogador ir para o Japão, dirigentes do Palmeiras conversaram com Gilmar Rinaldi, empresário do atacante, que ouviu propostas ainda de São Paulo e Santos. A diretoria corintiana, porém, incluiu uma cláusula no contrato de rescisão com Gil, proibindo o jogador de atuar em qualquer clube brasileiro ainda este ano. Outra cláusula dá ao próprio Corinthians a preferência para contratação de Gil em janeiro, quando expira seu contrato com o Verdy Tokio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.