Palestina busca jogadores na América

Os palestinos ainda não conseguiram sucesso na luta para ter sua nação. Mas já têm uma seleção de futebol ? a Palestina é filiada à Fifa desde 1998 ? e começam a pensar na disputa de competições internacionais e nas eliminatórias para a Copa de 2006. Para isso, está recorrendo à América Latina, na busca de jogadores que possam integrar a seleção. Foi a solução encontrada porque o Oriente Médio enfrenta uma onda de violência que impede o desenvolvimento do futebol da Palestina. E o Chile é a ?base de operações??.A opção pela América Latina tornou-se possível porque o estatuto da federação local possibilita a estrangeiros descendentes de palestinos servirem à seleção. ?Esta iniciativa é positiva??, aprova Alfredo Asfura, dirigente da Fifa.O Chile foi escolhido como base porque no país há cerca de 300 mil descendentes de palestinos. O trabalho é comandado por Nicola Hadway, técnico da seleção desde agosto.Filho de palestinos, o chileno Hadway está entusiasmado com o projeto. ?Estou convencido que na América Latina encontraremos elementos para elevar o nível da equipe.?? Além do Chile, ele busca jogadores no Peru, Honduras e México.Entre os chilenos que ele observa estão os irmãos Roberto e Fabian Bishara e Roberto Kettlun, jogadores do Clube Palestino; Luis Murri, do Universidad de Chile; e o meia argentino Pablo Abdala, do Cobreloa.Pablo está feliz com a possibilidade de defender a Palestina. ?É uma seleção e seria ótima idéia participar dela. Sabemos que a Palestina está cheia de conflitos e precisa de nosso apoio. É uma porta que se abre.??O treinador Hadmay diz que quatro peruanos, quatro mexicanos e três hondurenhos também têm boas chances de serem convocados para um torneio em dezembro, no Kuwait. ?Mas nossa principal meta é conseguir chegar à Copa da Alemanha. Os jogadores latino-americanos podem nos ajudar, não há dúvida??, acredita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.